Gaspar reconhece "riscos e incertezas" em torno do OE

Ministro das Finanças volta a anunciar a recuperação económica para daqui a um ano

Ministro das Finanças encerrou debate do orçamento pelo lado do Governo
Fotogaleria
Ministro das Finanças encerrou debate do orçamento pelo lado do Governo Daniel Rocha
Fotogaleria
Vítor Gaspar, Passos Coelho e Paulo Portas durante a aprovação do OE para 2013 Daniel Rocha

No encerramento do debate da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2013, o ministro das Finanças reconheceu "os riscos e as incertezas" no exercício orçamental que "advêm do ajustamento da economia portuguesa", mas sobretudo no contexto externo que conheceu nos últimos meses uma assinalável deterioração".

Vítor Gaspar reafirmou que o PIB vai contrair-se, em média, 1% em 2013 e voltou a anunciar o início da recuperação económica a partir do segundo semestre do ano. 

Parte do discurso do ministro centrou-se nas funções sociais do Estado, considerando que "o Estado social depende do investimento social que o país estiver disposto a fazer". Mas o PS não foi esquecido e, mais uma vez, foi convocado a participar no debate das funções do Estado. E deixou recados para o interior do partido liderado por António José Seguro.

As "hesitações e ambiguidades" são, segundo Gaspar, "fruto das divisões internas". O ministro fez a divisão entre dois PS: um que defende "propostas radicais e aventureiras" e um "lado moderado herdeiro de uma orgulhosa linhagem europeísta". 

Em termos de cenários macroeconómicos, Gaspar avançou com a previsão do desemprego em 2014 – 15,9 – e também para 2015 e 2016, em que haverá um recuo para os 14,8% e um crescimento do PIB anual de 1,8%.