Governo ameaça fixar serviços mínimos nos portos se não houver acordo

Passos Coelho acusa os trabalhadores dos portos dos maus resultados nas exportações
Foto
Passos Coelho acusa os trabalhadores dos portos dos maus resultados nas exportações Foto: Reuters

Se continuar a não haver acordo com os sindicatos dos trabalhadores dos portos, que mantêm a greve há mês e meio, o Governo tenciona fixar unilateralmente os serviços mínimos.

A garantia foi deixada na manhã desta quarta-feira pelo primeiro-ministro em declarações aos jornalistas no final de uma visita à fábrica da Sicasal, no concelho de Mafra.

“O Governo espera que se possa fazer a revisão dos serviços mínimos nos portos”, apelou Pedro Passos Coelho, realçando que o executivo tem “até adoptado uma atitude de grande abertura” em relação a esta paralisação. O primeiro-ministro julgava mesmo que já teria sido conseguido um acordo – mas apesar de sindicatos e Governo estarem perto, ainda nada está decidido.

“Se houver dificuldades de fixar serviços mínimos, o Governo não deixará de o fazer”, garantiu Passos Coelho, afirmando que prefere “favorecer a negociação”. Porém, lembrou, esta arrasta-se há mais de mês e meio.

Passos Coelho voltou a responsabilizar os sindicatos que convocaram a greve nos portos pelo mau desempenho nas exportações portuguesas. “A greve é um direito inalienável, mas deve ser usado com moderação”, disse o primeiro-ministro, apontando o dedo: “Os resultados das exportações do terceiro trimestre pioraram significativamente devido às greves que têm acontecido nos portos.”