Aos 41 anos

Morreu Bernardo Sassetti, o músico que buscava o silêncio

Fotogaleria
Bernardo Sassetti em Lisboa, em 2005 (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
O pianista e compositor tinha 41 anos (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
Sassetti durante os ensaios para um concerto no Teatro de S. Luiz (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
Mário Laginha e Bernardo Sassetti na Festa do Avante de 2004 (Miguel Madeira) Miguel Madeira
Fotogaleria
Pautas de Bernardo Sassetti (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
Bernardo Sassetti iniciou-se profissionalmente no jazz em 1987 (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
O cinema e a fotografia eram duas das grandes paixões de Sassetti (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
Bernardo Sassetti era bisneto de Sidónio Pais (Pedro Cunha) Pedro Cunha
Fotogaleria
O pianista fotografado no Hot Club, em Lisboa, em 2011 (Rui Gaudêncio) Rui Gaudêncio

O pianista e compositor morreu aos 41 anos. Segundo a família, que confirmou a morte hoje, Bernardo Sassetti estava a fotografar numa falésia, no Guincho, e caiu.

O Ministério Público decidiu entretanto instaurar um inquérito à morte de Bernardo Sassetti. “Por ser ignorada a causa da morte e as circunstâncias em que ocorreu, foi instaurado o competente inquérito, como habitualmente se procede nessas situações”, disse à Lusa fonte do gabinete do procurador-geral da República.

O comandante Nuno Mónica de Oliveira, da Capitania do Porto de Cascais, adiantou ao PÚBLICO que às 15h15 de quinta-feira receberam uma chamada para socorrerem “um indivíduo caído numas pedras a norte da Praia do Abano”. O responsável sublinhou que durante toda a intervenção da capitania não foi possível identificar o corpo como pertencendo a Bernardo Sassetti e que foi ainda por reconhecer que foi transferido para a morgue da Guia.

Nuno Mónica de Oliveira explicou que o corpo terá caído de uma altura de cerca de 20 metros – numa zona “propícia a passeios e contemplação da paisagem, mas ainda assim perigosa” – e que se encontrava “numa zona de difícil acesso, o que dificultou as operações”, acabando o resgate por se prolongar até às 18h30. O comandante disse, também, que o resgate só foi possível com o recurso a equipamentos e técnicas de grande ângulo, com a presença dos bombeiros de Almoçageme, Alcabideche e Estoril. O PÚBLICO contactou esta corporação, sem sucesso.

Haverá duas cerimónias fúnebres, uma privada e outra pública, mas os locais ainda não foram confirmados. A cerimónia pública, uma homenagem com concerto onde estão confirmados os pianistas Mário Laginha e Pedro Burmester, será sábado em horário e local a anunciar - a entrada estará, no entanto vedada a fotógrafos e câmaras de televisão. No domingo realiza-se o funeral restrito à família.

Bernardo Sassetti nasceu a 24 de Junho de 1970, filho mais novo de Sidónio de Freitas Branco Pais e de Maria de Lourdes da Costa de Sousa de Macedo Sassetti. Era bisneto de Sidónio Pais. Iniciou os estudos de piano clássico aos nove anos, tendo frequentando também a Academia dos Amadores de Música. Em 1987 iniciou-se profissionalmente no jazz, estudando com músicos como Zé Eduardo, Horace Parlan e Sir Roland Hanna, e tocando com o quarteto de Carlos Martins e o Moreiras Jazztet.

Nos primeiros quinze anos de carreira apresentou-se por todo o mundo, ao lado de músicos como Al Grey. Frank Lacy ou Andy Sheppard, Paquito D’ Rivera ou Benny Golson. Em 1997, por exemplo, ao lado de Guy Barker, gravou “What love is”, acompanhado pela Orquestra Filarmónica de Londres, que tinha como convidado o cantor Sting.

Como compositor destacam-se no seu percurso obras como as suites “Ecos de África”, “Sons do Brasil” ou “Entropé”. O seu primeiro trabalho, como líder, foi “Salsetti”, de 1994, que contava com a participação de Paquito D’ Rivera. O segundo álbum, “Mundos”, saiu em 1996. O álbum “Nocturno” de 2002, ou os mais recentes “Indigo” e “Livre”, são outras das suas mais recentes gravações de piano solo para a editora Clean Feed.

O cinema, tal como a fotografia, era outra das suas grandes paixões, não surpreendendo que tenha composto muito para cinema. “Alice” de Marco Martins, “A Costa dos Murmúrios” de Margarida Cardoso, “Facas e Anjos” de Eduardo Guedes ou “Maria do Mar” de Leitão Barros foram alguns dos filmes para os quais compôs música.

Nos últimos anos apresentou-se em piano solo, ou em trio com Carlos Barreto e Alexandre Frazão. Ao falar sobre o seu trabalho solo, costumava salientar a importância do silêncio, era um músico em busca do silêncio. Em duo tocou com o pianista Mário Laginha, com quem gravou “Mário Laginha / Bernardo Sassetti” e “Grândolas”, naquela que foi uma homenagem a Zeca Afonso e aos 30 anos do 25 de Abril.

Mas o piano de Bernardo Sassetti não esteve apenas ao serviço do jazz. Ao longo do seu percurso musical trabalhou com músicos de jazz, do fado, da pop ou do hip-hop. Em 2010, por exemplo, juntou-se a Carlos do Carmo. Os últimos trabalhos de Sassetti foram a participação no disco “Mútuo Consentimento” de Sérgio Godinho e “3 Pianos”, ao lado de Mário Laginha e Pedro Burmester.

Era casado com a actriz Beatriz Batarda, de quem tem duas filhas.

Em 2007, a cineasta Cláudia Varejão realizou dois vídeos com Bernardo Sassetti, sobre a banda sonora Alice (Marco Martins, 2005), no Teatro Maria Matos, em Lisboa. Um deles é este, que está disponível, tal como o outro e mais uma dezena de vídeos, no canal do compositor no YouTube.

No canal da CleanFeed no YouTube, a editora de Bernardo Sassetti, está publicada uma gravação de 2004, feita em Coimbra, quando o compositor foi ao Teatro Académico de Gil Vicente apresentar o duplo Indigo.

Bernardo Sassetti compôs e interpretou a banda sonora de Uma coisa em forma de assim, um espectáculo da Companhia Nacional de Bailado estreado em 2011. Clara Andermatt, Francisco Camacho, Benvindo Fonseca, Rui Lopes Graça, Rui Horta, Paulo Ribeiro, Olga Roriz, Madalena Victorino e Vasco Wellenkamp foram os co-criadores da peça, cujo vídeo está também no YouTube.

Notícia em actualização