O político Rui Rio diz-se "meio alemão" na defesa do "rigor"

Presidente da Câmara do Porto critica a prevalência dos "interesses sectoriais"sobre a disciplina

Rui Rio lamentou ontem que a sociedade portuguesa tenha vindo a caminhar, em sua opinião, no sentido "contrário" aos valores de "rigor e disciplina" que perfilha. "Alguns dizem - uns para o bem, outros para o mal - que eu sou meio alemão. Quem gosta de rigor para o bem, quem não gosta para o mal", ironizou o autarca durante a sua intervenção na cerimónia de inauguração do novo ginásio do Colégio Alemão do Porto.

Na dupla condição de ex-aluno da instituição e de presidente da Câmara do Porto, Rio afirmou que "o valor da tolerância é muitas vezes abastardado" face ao rigor, e criticou a importância excessiva dos interesses sectoriais.

"Não raras vezes é a minoria que se impõe à maioria", denuncia o autarca, que chegou ao evento num veículo simbólico, um Mercedes que era utilizado por Vasconcelos Porto, quando este ocupava o lugar de presidente da câmara e vivia em frente ao colégio onde Rio estudava.

Referindo-se ao novo ginásio, construído com apoio financeiro do Estado alemão, como "uma nova infra-estrutura para a cidade" apesar de não ser pública, Rio enalteceu a importância da Educação Física na formação escolar e referiu-se ao Colégio Alemão, que celebra o 110.º aniversário este ano, como "património da cidade do Porto". Apesar de estar "esquecida por falta de treino", o autarca finalizou o discurso naquela que foi a sua "segunda língua mãe", reforçando, uma vez mais, a importância da "exigência" na educação.

O novo edifício foi projectado com a "dificuldade acrescida" de ter que responder às exigências legais alemãs e portuguesas, explicou o arquitecto responsável, Volker Nussgräber.