OPINIÃO

Os períodos entre eleições costumam ser propícios à aprovação de regulamentos e disposições que mais tarde nos causam os maiores engulhos. A proibição do uso de armas eléctricas nas cadeias pode vir a ser um desses casos. Em primeiro e mais óbvio lugar, porque não é de todo evidente que o recurso à força física ou a um gás neutralizante sejam sempre melhores opções que a arma eléctrica. Em segundo, porque mais importante que o meio utilizado são as circunstâncias em que se recorre a esses meios. Se o vídeo divulgado pelo PÚBLICO e outros órgãos de comunicação mostrasse o preso a ser neutralizado com gás ou através da força física, proibiam-se o gás e a força física?