Zeitgeist Eles querem uma economia sem dinheiro

Foto
Com 19 anos, Miguel Oliveira é o coordenador nacional do Zeitgeist; adora trabalhar em publicidade, mas sabe que a sua profissão desapareceria num mundo sem dinheiro corbis/vmi

Defendem o fim da economia monetária, mas rejeitam qualquer etiqueta política. Querem uma sociedade futurista, sem dívida, escassez, pobreza ou guerra, dizem não ser utópicos. Mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo (e 6000 em Portugal) estão com o movimento Zeitgeist. O sistema vai cair, mais tarde ou mais cedo, prevêem, e há que preparar a transição. No entanto, os seus ideais não são aceites pacificamente.

Aos 16 anos, Rolando Cardoso era activista político pelo Partido Comunista Português. Mais tarde, fez voluntariado, distribuindo comida aos sem-abrigo durante dois anos. Em ambos os casos, saiu desiludido. As ideias eram bonitas, mas não resolviam os problemas de fundo. Enquanto fazia o curso de Direito à noite, foi trabalhar para um banco. Começou a atender telefones e, ao fim de cinco anos, já estava atrás de um balcão, efectivo. Só que não compreendia o sistema, não compreendia "como era possível fazer lucros com base em pura especulação, apenas a comprar e vender acções". Demitiu-se. Os amigos chamaram-no "maluco". Mas Rolando Cardoso, hoje com 33 anos, acabou por encontrar a sua visão do mundo no movimento Zeitgeist. Hoje, partilha-a com mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo.

Criado em Dezembro de 2008, o movimento Zeitgeist (termo alemão que significa o "espírito do tempo") defende que a economia monetária tem de acabar e que devemos transitar para uma economia baseada em recursos, alicerçada no método científico e na tecnologia. Assume-se como uma alternativa para o futuro da humanidade, que não reconhece Estados, etnias, religiões ou classes sociais, e em que não há salários ou contas bancárias. Na base, a ideia de que o actual sistema monetário promove a escassez, o que por sua vez gera guerras, desigualdades, criminalidade e destruição ambiental. Mais tarde ou mais cedo, defendem, o sistema vai entrar em colapso, tornando-se vítima das suas próprias contradições.

Apesar de polémicas, as ideias do Zeitgeist estão a espalhar-se como um rastilho de pólvora bem aceso num mundo que, nos últimos três anos, atravessou a mais grave crise financeira e económica de sempre e ainda vive em sobressalto, atormentado com a crise da dívida europeia. A nível mundial, o movimento tem cerca de meio milhão de membros e, em Portugal, há mais de 6000 apoiantes. Há cerca de um mês, o movimento lançou um novo documentário, Zeitgeist Moving Forward, o terceiro depois de Zeitgeist Addendum e Zeitgeist, the Movie, que foram vistos por mais de 50 milhões de pessoas a nível mundial. O novo filme, que fala de psicologia, sociologia e economia, foi lançado simultaneamente em mais de 60 países e 20 línguas.

Para o sociólogo Elísio Estanque, o fenómeno gerado em torno deste movimento não é alheio ao actual contexto de crise e crescente descontentamento social. Apesar de o professor da Faculdade de Economia de Coimbra não considerar realistas as alternativas propostas pelo Zeitgeist, "a rápida e impressionante adesão que têm colhido por todo o mundo, em especial por parte da juventude escolarizada e universitária", pode vir a ser o motor de uma mudança. E obrigar "os poderes políticos a reinventarem-se, de modo a que a desregulação económica e o poder descontrolado dos mercados e da alta finança passem a ser objecto de mais apertada regulação e controlo, em favor de maior coesão e justiça social".

Miguel Oliveira, de 19 anos (mais conhecido pelo pseudónimo Darr), é o coordenador nacional do Zeitgeist em Portugal. Trabalha numa empresa de publicidade e, nos tempos livres, a sua responsabilidade é gerir, a partir do Porto, as actividades do movimento e coordenar uma equipa de cerca de 70 pessoas a nível nacional. Todas as segundas-feiras há uma reunião às 22h30 entre os membros activos do movimento em Portugal.

Tal como acontece com as reuniões internacionais, que decorrem de duas em duas semanas, os encontros nacionais realizam-se através do Team Speak, um programa de conversação e voz gratuito na Internet. Nas reuniões internacionais, estão normalmente presentes mais de cem pessoas, entre as quais Peter Joseph, o cineasta norte-americano que produziu os documentários Zeitgeist e fundou o movimento.

Miguel Oliveira apanhou o movimento internacional no seu segundo dia de vida, poucos meses depois da saída do documentário Zeitgeist Addendum. À medida que foi conquistando apoiantes em todo o mundo, a organização decidiu dividir o movimento em capítulos, o que, em linguagem "zeitgeistiana", quer dizer países. Miguel ficou responsável pelo de Portugal. Dentro do capítulo nacional, há actualmente cinco subcapítulos: Lisboa, Porto, Coimbra, Aveiro e Madeira.

Dívida que não podemos pagar

Afonso Palma, estudante de fotografia de 20 anos, é o coordenador do Zeitgeist na capital. À semelhança da maioria dos outros jovens que aderiu ao movimento, conheceu o Zeitgeist através dos documentários na Internet. E percebeu por que é que sempre sentira que o trabalho dos activistas e dos voluntários não tinha grandes resultados práticos. "Se queremos acabar com a guerra, a pobreza, a destruição ambiental, temos de criar um novo paradigma social e não fazer apenas remendos", defende.

Responsável por coordenar as palestras, as projecções de filmes e as acções de rua na zona de Lisboa, Afonso Palma admite que o movimento já foi conotado com as mais diversas ideologias. "Há muita tendência para nos chamarem comunistas ou utópicos, mas não somos nada disso. Não reconhecemos sequer a política como uma solução e não queremos uma sociedade perfeita, mas uma sociedade emergente, em constante melhoramento", sustenta. É aqui que entra o projecto Vénus, elaborado ao longo de 70 anos pelo engenheiro social norte-americano Jacque Fresco. Mas lá iremos.

O movimento Zeigeist defende que, mais tarde ou mais cedo, a economia monetária terá de acabar devido à insustentabilidade do próprio sistema financeiro. No documentário Zeitgeist Addendum, diz-se que todo o dinheiro é criado a partir de dívida, num ciclo perpétuo de endividamento. A distorcer ainda mais o sistema está o pagamento de juros. O dinheiro para pagar juros não existe e, por isso, se de um momento para o outro, todos os países e cidadãos tivessem de pagar as suas dívidas, deixaria de haver dinheiro em circulação. Neste contexto, a inflação é necessária para cobrir o défice perpétuo do sistema.

Para os apoiantes do Zeitgeist, a dívida é a arma usada para conquistar e escravizar, não só os indivíduos, mas também nações inteiras. Aqui, o dedo é apontado às intervenções do Fundo Monetário Internacional (FMI) ou do Banco Mundial, que, com a colaboração dos poderes políticos e de agências governamentais, colocam um país em dívida para depois se oferecerem para o refinanciar. Em troca, impõem condições como a desvalorização da moeda e privatizações de empresas públicas, que, segundo os apoiantes do Zeitgeist, não fazem mais do que tornar os recursos naturais do país mais baratos e permitir a entrada de multinacionais estrangeiras.

Mas, afinal, o que sustenta este sistema? A escassez. Para o movimento, o mundo está dominado por um conjunto de negócios poderosos que controlam os recursos naturais de que precisamos para viver e o dinheiro de que precisamos para os obter. O próprio sistema monetário, para funcionar, tem de racionar recursos porque, caso contrário, não teria lucro. É por isso que, frequentemente, se colocam limites à produção de petróleo ou de alimentos, para evitar que os preços despenhem. Mas, segundo o Zeitgeist, essa escassez conduz, inevitavelmente, a guerras, pobreza, criminalidade e, claro, à desigualdade social.

Desemprego tecnológico

Rogério Marques, um dos membros activos do movimento Zeitgeist em Portugal, recorda-se bem do primeiro dia em que percebeu que, neste mundo, não somos todos iguais. Tinha nove anos quando a família resolveu abandonar a África do Sul, onde Rogério tinha nascido, para voltar para Portugal. Corria o ano 1993, tinha acabado de ser aprovada a primeira constituição democrática do país, que pôs fim ao regime de segregação racial (o apartheid). No aeroporto, uma pessoa indignou-se ao ver Rogério e a mãe, dois brancos, a sair do país.

Mais tarde, à medida que enveredou pela bioquímica, Rogério concluiu que, por mais que a ciência evolua, "a nossa liberdade e qualidade de vida são sempre condicionadas pelo poder de compra". Quando acabou a licenciatura, foi estagiar para a indústria farmacêutica, onde percebeu o que "este sistema é capaz de fazer às pessoas". Entrou em depressão. "Vivemos numa loucura social, em que estamos sempre a repetir a mesma acção, à espera de ter um resultado diferente", conclui. A solução foi mudar totalmente de paradigma.

Hoje, aos 26 anos, Rogério Marques trabalha em Coimbra numa empresa que desenvolve interfaces de comunicação e animais 3D para conteúdos biomédicos, a Take The Wind, e dedica todo o seu tempo livre ao Zeitgeist. Dá palestras, faz filmes para o YouTube e planeia fazer um documentário português sobre o sistema financeiro e o Banco Central Europeu (BCE). Como muitos dos apoiantes do movimento, acredita que o sistema vai acabar por se afundar sozinho, não só devido à insustentabilidade da dívida, mas também devido ao desemprego tecnológico.

A primeira premissa do Zeitgeist é de que a economia monetária actual é, na realidade, um sistema antieconómico, porque não promove a eficiência, a sustentabilidade e a abundância. A maioria dos produtos é feita para se estragar ao fim de algum tempo e ser substituída. Caso contrário, o consumo perderia fôlego, prejudicando a economia. Além disso, a automação tem vindo a roubar uma boa fatia dos empregos actuais e a criar uma "imensa e artificial indústria dos serviços". É que, se não houver pessoas a receber salários, não há dinheiro para as pessoas consumirem e se endividarem, e a economia acabará por parar.

Mas, segundo o movimento, é aqui que a economia monetária cai na própria contradição que criou. À medida que aumenta o recurso às máquinas, a produtividade e o lucro das empresas sobem, mas também o desemprego. Para o Zeitgeist, o mundo chegará a um ponto em que muitas pessoas, sem emprego, não terão dinheiro para comprar os produtos e serviços que são postos à disposição e a economia entrará em colapso.

Solução: Vénus

Para Elísio Estanque, a visão proposta pelo Zeitgeist "é uma crítica ao capitalismo desregulado, ao consumismo exacerbado, ao desperdício, ao processo alucinante que nos tem empurrado para uma busca insaciável de "progresso", de crescimento económico que agride e destrói grande parte dos recursos naturais disponíveis". Em última instância, avisa, o sistema conduzirá "de forma irracional para uma inevitável catástrofe, caso não sejam tomadas medidas drásticas muito em breve". Para o Zeitgeist, essas medidas só podem passar por uma ruptura total com o sistema económico actual. E a alternativa tem um nome: Projecto Vénus.

A identificação dos problemas do actual sistema financeiro está feita. Mas é quando se passa para o domínio das soluções que o Zeitgeist é frequentemente acusado de ser demasiado utópico ou, como ironiza o economista José Castro Caldas, de se apresentar como "gato por lebre". O movimento é o braço activista do Projecto Vénus, que foi desenvolvido pelo engenheiro social e designer industrial norte-americano Jacque Fresco. Este inventor autodidacta, hoje com 94 anos, viveu a Grande Depressão dos anos 1930 nos EUA e foi aí que começou a aperceber-se dos "podres" do sistema. "Nessa altura, percebi que a Terra continuava no mesmo lugar, as fábricas continuavam intactas e os recursos mantinham-se, mas que as pessoas não tinham dinheiro para comprar os produtos. Senti que as regras do jogo eram ultrapassadas e prejudiciais", contou Fresco.

Tinha de pensar numa alternativa. E começou a desenvolver, na Florida, um centro de pesquisa com mais de 85 mil metros quadrados, com edifícios em forma de ovo, jardins e lagos. É aí que Jacque Fresco, juntamente com a companheira Roxanne Meadows, projecta cidades visionárias em forma circular, edifícios nos oceanos, naves habitadas no espaço, entre outros sonhos tecnológicos. Tudo em prol da ideia de uma economia baseada em recursos e de um novo modelo de sociedade, em que não há empregos remunerados, bancos ou políticos. Tudo é gerido em função da capacidade da terra, através da aplicação da tecnologia e da ciência.

Nessa "nova" economia, os recursos naturais seriam geridos de forma global, com base em sistemas avançados de cibernética. O principal objectivo é eliminar a escassez. Como não há dinheiro, toda a tecnologia ficaria acessível a custo zero. Todo o fornecimento de energia ao planeta transitaria para fontes renováveis, cerca de 90 por cento do trabalho humano seria substituído por máquinas e todos os bens e serviços existiriam em abundância, sem termos de pagar por eles. As decisões seriam tomadas não por políticos, mas com base na aplicação do método científico e em função dos recursos da Terra.

No Projecto Vénus, as cidades do futuro serão totalmente eficientes em termos energéticos e auto-sustentáveis, com avançados sistemas de transporte e um sistema de saúde e educação universais. Um dos projectos em desenvolvimento na Florida é um "Maglev", um comboio de levitação magnética que substituiria os aviões. Consome menos de dois por cento da energia usada por um avião e permitiria fazer a viagem entre Washington e Pequim em apenas duas horas.

"Revolução da consciência"

José Castro Caldas, que assistiu ao último documentário do movimento a pedido do PÚBLICO, disse ter passado do interesse à perplexidade e, por fim, à indignação nas 2h40 que dura o filme. A abordagem da "economia mercantil monetarizada" pareceu-lhe séria, bem como a forma como identifica "as suas disfunções mais dramáticas na sua fase financiarizada". O problema é quando se chega ao momento das alternativas.

"Surge subitamente uma personagem alucinada que parece ser o guru do movimento, descrevendo o mundo "como deve ser": um mundo com a ciência e a tecnologia no comando, com recursos identificados à escala global e centros de produção optimamente localizados, com volumes de produção calculados a partir de necessidades humanas claramente quantificadas, com trabalho humano substituído por robôs, tudo isto comandado por um supercomputador, que geria a colmeia e realizava os cálculos que nenhuma mente humana isolada, ou conjunto de mentes humanas, é capaz de efectuar", descreve o investigador do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra.

Era por esta altura que o economista estava já indignado. Para José Castro Caldas, o movimento Zeitgeist é, com roupagens revolucionárias, uma encenação quase perfeita da crítica ultraliberal a tudo o que queira romper com o statu quo. "Não gostam do mundo tal como ele é? Pois bem, a alternativa é a distopia totalitária, o comando da sociedade por um tirano, ou um computador", conclui.

Mas os apoiantes do movimento não se deixam abater pelas frequentes críticas. Olham para Jacque Fresco como um visionário e compreendem que nem todos os seres humanos estejam ainda preparados para a transição para uma economia baseada em recursos. "O Projecto Vénus nunca entrará em efeito de uma maneira idílica, vai sempre haver coisas a melhorar, mas nunca será um problema tão cancerígeno como este", considera Rogério Marques.

A pouco e pouco, dizem, a humanidade vai habituar-se a um novo sistema. Haverá, como diz Jacque Fresco, uma "revolução da consciência". Será, por exemplo, que sem o incentivo monetário, correríamos o risco de o ser humano se entregar à preguiça e não fazer nada? O Projecto Vénus defende que não. "As máquinas libertam as pessoas", costuma dizer Fresco. O seu "homólogo" português, Rolando Cardoso, complementa: "Mesmo com todas as necessidades satisfeitas, os seres humanos teriam sempre o incentivo de criar algo, tal como acontece com as crianças ou com grandes cientistas e artistas que fizeram obras e descobertas sem qualquer compensação monetária."

Com as máquinas a substituir a maior parte dos empregos repetitivos e monótonos (e mesmo outras funções que não imaginaríamos possíveis, como as de um médico ou cirurgião), a maioria das profissões que hoje existem desapareceriam. Mas quem recolheria o lixo? Ou construiria casas? Mais uma vez, a tecnologia responde à maioria das dúvidas. Um dos projectos que está a ser desenvolvido nos EUA é uma impressora gigante 3D, que consegue levantar as paredes de uma casa sem a intervenção de mão-de-obra. E as tarefas que não pudessem mesmo ser feitas por máquinas como, por exemplo, reparar as próprias máquinas? "Num mundo onde não há obrigação de trabalhar pelo falso incentivo do dinheiro, acho que todas as pessoas se iriam voluntariar para ajudar a sustentar um sistema desse género", afirma Afonso Palma.

Para Rolando Cardoso, responsável pela Associação Futuragora (representante oficial do Projecto Vénus em Portugal), estas dúvidas e questões só se colocariam numa fase de transição. "Bastam três gerações a viver na abundância para se gerar um novo espírito", considera o advogado. Embora a economia baseada em recursos não defenda a abolição da propriedade privada, esta tornar-se-ia obsoleta à medida que o sistema fosse crescendo, sendo substituída por um sistema de acesso universal.

Se, por exemplo, uma pessoa precisasse de um carro, teria acesso a um, mas este não seria seu, tal como acontece quando hoje se requisitam livros numa biblioteca. O mesmo aconteceria com os supermercados que temos hoje em dia. Ou desapareceriam ou se converteriam em espaços onde o acesso aos produtos fosse livre. Afinal, a base do sistema é a abundância.

Nesta nova realidade, o actual sistema monetário seria apenas um capítulo da evolução humana, que já deu o que tinha a dar. Os jovens membros do Zeitgeist acalentam a esperança de ainda assistir à "transição" na sua geração. Rejeitam a violência e o confronto, propondo-se educar o mundo para que este esteja preparado quando esse momento chegar. "Dentro desta maneira básica de ver as coisas, sinto-me como alguém a 400 anos daqui e condicionado a viver uma realidade que, para mim, já é passado", resume Rogério Marques. Tal como ele, mais de 500 mil pessoas dizem ter visto o futuro e agora sentem-se incapazes de viver no presente tal como está.

[email protected]