Utentes do Centro de Saúde da Graça contra transferência

Utentes do Centro de Saúde da Graça, em Lisboa, vão concentrar-se hoje de manhã frente àquelas instalações porque não aceitam ser encaminhados para a zona do Chiado durante os três meses de obras de requalificação daquela unidade de saúde.

Por decisão da directora, Margarida Fragoso Mendes, a unidade vai entrar em obras no dia 17, mas os utentes rejeitam ser transferidos, ainda que provisoriamente, para a Rua do Alecrim, no Chiado, como está previsto.

Os presidentes de junta das freguesias que são servidas pelo centro já pediram explicações à respectiva directora. Paulo Quadrado, presidente da Junta da Graça, disse que a maioria dos utentes são pessoas idosas sem condições para serem atendidas nas instalações que a directora determinou. O autarca diz, por outro lado, que a Câmara de Lisboa já se mostrou receptiva a ceder um espaço nas proximidades do actual centro de saúde.

"Que fique claro que não somos contra as obras. O que não aceitamos é que a direcção do centro não tivesse encontrado uma alternativa que minorasse os problemas da população", declarou ainda Paulo Quadrado, que diz que "numa altura de contenção de custos não se justificam as obras num edifício alugado quando existe um projecto para a construção de novos centros de saúde". Com o encerramento do Centro de Saúde da Graça, há tratamentos diários (relacionados com injecções e pensos) que passam a ser feitos na extensão de S. Nicolau, a partir das 13h00. O PÚBLICO tentou obter um comentário da directora, mas até ao fecho desta edição não foi possível fazê-lo. Margarida Gomes