Vale 11 por cento das exportações

Efeito Autoeuropa na economia já foi maior

No espaço de 15 anos, o efeito Autoeuropa continua a ser responsável por uma grande fatia da capacidade exportadora do país, embora já tenha sido maior.

No ano passado, a indústria automóvel exportou mais de 3500 milhões de euros, equivalentes a 11,2 por cento do total das mercadorias vendidas ao exterior. Em 1998, o sector chegou a valer 15 por cento do total das exportações.

Entre 1995 e 1997, passados os primeiros três anos de actividade da VW Autoeuropa e do parque industrial de Palmela, as receitas praticamente duplicaram.

Com um perfil fortemente exportador - envia para o exterior 83 por cento do que factura -, e muito por causa dele, as fábricas montadoras de automóveis e as fornecedoras de componentes são também as mais afectadas com a crise económica e financeira dos últimos dois anos e a quebra da procura mundial. À crise juntaram-se, entretanto, as esperas por novos modelos para a VW Autoeuropa.

A primeira reacção à crise surgiu em 2008, quando as exportações do sector caíram quatro por cento, embora o resto da economia ainda tenha conseguido um acréscimo de um por cento. No ano seguinte, voltaram a ser mais reactivas do que a média: o conjunto das exportações portuguesas diminuiu 18 por cento; o automóvel, 19 por cento. Um dado que caracteriza este sector, com cerca de 35 mil trabalhadores e cerca de 180 empresas, é a sua maioria de capital multinacional: 51,3 por cento das empresas do sector têm capital 100 por cento estrangeiro. L.F.