António Fragoso homenageado na Culturgest

\uE06C António de Lima Fragoso (1897-1918) faleceu com apenas 21 anos, vítima da epidemia de gripe pneumónica, mas, apesar da sua curta vida, deixou um legado musical que atesta um talento notável no domínio da criação musical. Foi também reconhecido como excelente pianista e considerado pelo meio musical da época como uma das mais promissoras personalidades da música portuguesa do início do século XX. Por iniciativa do Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM) da Universidade Nova de Lisboa, o 90º aniversário da sua morte é hoje assinalado na Culturgest (a partir das 9h30) com o colóquio António Fragoso e o Seu Tempo e com o concerto António Fragoso - À Escuta de Um Século (às 21h30). Com organização científica de Paulo Ferreira de Castro, o colóquio pretende constituir um fórum de discussão, interpretação e partilha de informação sobre o compositor e estimular a reflexão e o debate nas áreas da história, da análise, da interpretação, da estética, da psicologia e sociologia da música numa perspectiva de abertura interdisciplinar. Nascido em Pocariça (próximo de Cantanhede), António Fragoso iniciou a sua formação musical com um tio (médico e músico amador), prosseguindo depois os seus estudos no Porto e no conservatório de Lisboa, onde foi aluno de Tomás Borba, Luís de Freitas Branco e Marcos Garin. Durante os últimos quatro anos da sua vida, Fragoso desenvolveu uma intensa actividade criativa e uma grande curiosidade pelas correntes musicais estrangeiras do seu tempo, sobretudo as ligadas à escola francesa. Figuras como Chopin, Grieg, Fauré e Debussy influenciaram a formação do seu idioma musical, mas as obras que compôs nos domínios da música para piano, do canto e da música de câmara denotam igualmente uma forte marca pessoal e um grande poder de sedução.
Algumas das suas criações mais significativas (Pensées Extatiques, Nocturno, Canções do Sol Poente, Poèmes Saturniens, Suite Romantique, entre outras) poderão ser ouvidas no concerto desta noite em conjunto com peças inéditas como o Prelúdio Romântico nº1 e a Mazurca em Lá menor. O programa foi concebido pelo pianista Miguel Henriques, que será também um dos intérpretes, juntamente com os pianistas João Vasco e Paulo Pacheco, o violinista Aníbal Lima e a soprano Marisa Figueira.