Boavista à Robin Hood não levou os milhões do Sporting

"Leões" estiveram cinco minutos a perder, mas nunca saíram do segundo lugar. Vitória com reviravolta deu entrada directa na Liga dos Campeões

a O Boavista apareceu em Alvalade sem nada a perder e tudo a ganhar. O adversário apresentava-se bem composto e com uma recheada carteira - o empate chegava para o Sporting segurar o segundo lugar e levar a bolsa dos milhões da Liga dos Campeões. Carregado de problemas de tesouraria (os jogadores "axadrezados" têm ordenados em atraso) e judiciais (Jaime Pacheco soube esta semana que o Apito Final ditou a descida de divisão à sua equipa) nada melhor que um assalto surpresa sem os sportinguistas esperarem. Mas a emboscada não correu bem e Robin Hood foi apanhado. Por pouco.O maior receio deste Sporting chegou a ser o próprio Sporting. Quando o jogo começou, os "leões" tinham assegurada a vice-liderança. Mas uma escorregadela (mais uma) de Polga revelou-se fatal: Ivan, logo aos cinco minutos, colocou o Boavista em vantagem. Voltaram as contas à cabeça dos adeptos leoninos. O V. Guimarães e até o Benfica estavam à espreita para outro assalto ao lugar do "leão".
Izmailov armou-se em xerife de Notthingham e, em duas investidas, deteve o meliante. Em 17 minutos mudou tudo. Foi rasteirado na área por Marcelão (devia ter visto o vermelho) e Romagnoli não falhou o penálti, isto cinco minutos depois do golo do Boavista. Não satisfeito, o russo assistiu de forma primorosa Tiuí (o brasileiro jogou no lugar do lesionado Yannick e marcou o seu primeiro golo pelo Sporting). Tudo como devia ser na floresta de Alvalade, que tem uma lei rigorosa: esta época, os "leões" nunca perderam e cederam apenas três empates com Benfica, V. Setúbal e União de Leiria.
A história do jogo foi morrendo aos poucos. O Boavista pouco incomodou e só a defesa sportingusta insistiu, mesmo em final de calendário, em jogar mal. Polga, desde que voltou recuperado da lesão, nunca mais conseguiu manter a consistência de outrora e a verdade é que Rui Patrício não dá tranquilidade aos seus companheiros da defesa. Num lance aparentemente fácil, o guarda-redes largou a bola (depois de Mateus ter ultrapassado novamente Polga...) e o público mostrou que não morre de amores pelo jogador, que ganhou o lugar a Stojkovic na baliza de Alvalade.
A vantagem no marcador deu margem aos "verde-e-brancos". Tanta margem que até deu para Paulo Bento experimentar um novo sistema de jogo, com dois trincos (Pereirinha e Miguel Veloso), dois alas (João Moutinho e Izmailov) e um apoio ao ponta-de-lança, com Romagnoli a servir Vukcevic. Sem o terceiro golo - Vukcevic falhou dois de baliza aberta -, o jogo leonino foi perdendo o brilho. E a entrada de Laionel no Boavista pressionou mais a equipa do Sporting, que mostrou mais uma vez ter dificuldade em controlar uma partida. Bento deu o sinal quando tirou um avançado (Tiuí) para pôr um médio.
No estádio, o speaker já tinha a música da Champions pronta no leitor de CD. Mas os adeptos não estavam tranquilos. Sempre com os auscultadores nos ouvidos para ouvir o que se passava em V. Guimarães e na Luz - bateram-se palmas nos golos no D. Afonso Henriques, com a certeza de que o Benfica estaria arredado do pódio do campeonato... E foi mesmo o mal-amado Rui Patrício a salvar novo golo do Boavista, quando Mateus (sempre ele) apareceu solto na área. Mais do que isto era impossível pedir às duas equipas: ao Sporting que ainda espera a final do Jamor e soube agarrar o segundo lugar que tanto o seu presidente pediu; ao Boavista que tem o seu futuro pejado de nuvens negras.
Deve ter sido Soares Franco a pedir a melódica música no final, para relembrar o som dos milhões a entrarem nos cofres de Alvalade, anti-roubo para um Boavista que ainda chegou a assustar.
Jogo no Estádio José Alvalade.
Assistência cerca de 34.200 espectadores.
Sporting Rui Patrício 5, Abel 5, Tonel 6, Polga 4, Grimi 5, Miguel Veloso 6, Moutinho 5, Izmailov 7 (Celsinho -, 91"), Romagnoli 6 (Farnerud -, 83"), Vukcevic 6 e Tiui 6 (Pereirinha 5, 66").
Boavista Jehle 6, Gilberto 5, Moisés 6, Marcelão 4 (Bruno Pinheiro 5, 31), Brayan Angulo 5, Fleurival 6, Luís Loureiro 5 (Pedro Moreira -, 81), Jorge Ribeiro 5 (Laionel 6, 46), Mateus 6, Ivan 6 e Hussaine 5.
Árbitro Artur Soares Dias 5, Porto.
Amarelos Marcelão (11"), Jorge Ribeiro (45"), Miguel Veloso (49").
Golos 0-1, por Ivan, aos 5", 1-1, por Romagnoli, aos 12" (g.p.) e 2-1, por Tiui, aos 23".

Sporting 2
Boavista 1