Barco com 23 imigrantes marroquinos foi capturado

Dois dias de ventos contrários desviaram a embarcação para o Algarve. Ao fim de quatro dias à deriva, deu à costa na ilha da Culatra

a Um barco com 23 imigrantes marroquinos, entre quais cinco mulheres, deu ontem à costa, na ilha da Culatra, no Algarve, depois de ter andado quatro dias à deriva. O destino de desembarque não seria o Algarve, mas "qualquer coisa teria corrido mal" na travessia. Quando chegaram a terra, com fome, sede e frio, alguns ainda tentaram a fuga para a liberdade, mas acabaram todos por ser capturados pelas autoridades portugueses. O alerta do desembarque foi comunicado às autoridades marítimas pela Associação de Moradores da Culatra. Os primeiros elementos da Marinha só chegaram ao local cerca de meia hora depois da chamada. A partir dessa altura, 13h40, desencadeou-se uma operação de "caça aos fugitivos". O Serviço de Protecção Civil enviou um helicóptero e os meios militares foram reforçados para montar o cerco. Porém, na ilha não houve fuga possível. Ao fim de mais de quatro horas de perseguição, já quase ao cair da noite, acabaria por ser detido o último fugitivo.
Entre um grupo de quatro imigrantes que tentaram não ser detidos pelas forças policiais encontrava-se uma jovem de 15 anos. Ao encetar uma corrida, caiu e sofreu uma entorse numa perna. Depois de receber assistência médica num posto do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), em Olhão, acabou por ser transferida para o Hospital Distrital de Faro, juntamente com um outro colega de viagem, com sintomas de hipotermia.
Ao final do dia, nas instalações da Capitania do Porto de Olhão, a governadora civil, Isilda Gomes, declarou: "A situação está controlada". Todos os passageiros do barco foram detidos. Os inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) procediam a inquéritos, procurando saber de onde vinham e para onde iriam os imigrantes.
O director regional do SEF, José van der Kellen, questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de situações semelhantes virem a repetir-se, disse que este foi um caso "excepcional", e que nada leva a crer que o Algarve "seja uma zona de risco iminente". A governadora civil, assumindo o papel de coordenadora das várias forças policiais e militares, declarou: "Todos os meios foram accionados, e a operação correu muito bem, todos os meios se articularam de forma correcta e não foi necessário activar o Plano de Emergência".
O comandante da Zona Marítima do Sul, Reis Ágoas, por outro lado, acrescentou que, ontem, foram postos à prova os exercícios de simulação de perigo que as várias forças policiais, em conjunto, têm desenvolvido. "Estamos preparados - colocámos em campo aquilo que temos vindo a fazer". Interpelado sobre se os imigrantes ofereceram resistência, respondeu com um "obviamente". Van Der Kellen insistiu na ideia de que "tudo indica que Portugal não fosse o destino" inicial. Dois dias de ventos contrários terão feito mudar o rumo da embarcação e os imigrantes acabaram por alcançar a costa portuguesa.
O comandante da Marinha Portuguesa Silvestre Correia receia que esta situação possa repetir-se quando Espanha reforçar a vigilância nas suas fronteiras: "A partir do momento que Espanha consiga garantir a protecção das suas linhas costeiras e quando existirem boas condições de mar, os fluxos de imigração ilegal vão chegar à costa algarvia". O caso da ilha da Culatra, explicou o comandante, citado pela Lusa, veio confirmar as preocupações do chefe de Estado-Maior da Armada "em manter a Marinha equipada e capaz de fazer frente a esta vaga, que representa uma ameaça para a segurança e estabilidade do país". E disse temer que "este fenómeno possa vir a assumir proporções mais amplas".
Os imigrantes vão ser hoje ouvidos no tribunal, que decidirá que medida de coacção deve ser tomada.
15
Entre um grupo de quatro imigrantes que tentaram não ser detidos encontrava-se uma jovem
de 15 anos