Saakachvili alarga estado de emergência a toda a Geórgia

Foto
Segundo analistas políticos georgianos, esta medida foi endurecida a fim de evitar que a oposição alargue os seus protestos Irakli Gedenidze/Reuters

Ao princípio da noite, o dirigente georgiano decretara o estado de emergência apenas na capital, Tbilissi, por um período de 48 horas.

Segundo analistas políticos georgianos, esta medida foi endurecida a fim de evitar que a oposição alargue os seus protestos a outras cidades e regiões do país.

O decreto presidencial limita a liberdade de expressão, suspende os direitos de manifestação e à greve.

"Todos os órgãos de informação, electrónicos e impressos, à excepção da televisão pública, ficam proibidos de recolher e difundir informação", declarou Arveladzé.

Segundo o ministro, todos os órgãos de informação serão informados da proibição mas sublinhou que ela já entrou em vigor a partir do momento em que o Presidente Saakachvili assinou o decreto.

O canal televisivo Rustavi-2, que não apoiou os protestos da oposição, já se despediu dos seus telespectadares por 15 dias.

Antes deste anúncio, as autoridades suspenderam a emissão de duas estações de televisão que as autoridades consideram próximas da oposição.

A cadeia de televisão Imedi Television deixou de emitir hoje à noite, depois de um apresentador ter anunciado que forças policiais especiais tinham entrado no edifício.

"Fomos informados que as forças especiais acabaram de entrar no edifício da Imedi TV", anunciou o apresentador.

A cadeia, propriedade do oligarca Badri Patarkatsichvili, que chamou "fascista" ao regime do Presidente da Geórgia, Mikhail Saakachvili, deixou imediatamente de transmitir.

As autoridades, alguns minutos depois, suspenderam também a emissão do canal Kavkázia.

"Desligaram-nos pelas razões que são conhecidas", declarou um dirigente da estação à agência Novosti Gruzia.

Num discurso na televisão estatal, o Presidente da Geórgia acusou os serviços secretos da Rússia de terem organizado as manifestações da oposição e anunciou a expulsão do país de três diplomatas russos.

Os dirigentes da oposição criticaram duramente a intervenção de Saakachvili.

"O Presidente da Geórgia declara que agora não é tempo de comícios. Não é uma pessoa que decide autorizar comícios no país. Um democrata não fala assim", disse o deputado Zvida Dzidziguri, dirigente do Partido Conservador.

Segundo Dzidziguri, "hoje toda a Geórgia viu que o Presidente é um mentiroso, cobarde, sem vergonha e corrupto".

"Ele não é capaz de dialogar", acrescentou.

A antiga ministra dos Negócios Estrangeiros e dirigente do partido Caminho da Geórgia, Salomé Zurabichvili, declarou que Saakachvili "não vive neste país".

"Saakachvili perdeu mais de uma oportunidade de começar o diálogo com o seu povo. Ele trouxe para a rua forças especiais e, num só dia, dispersou três vezes acções de protesto", afirmou.

Quanto à acusação feita pelo Presidente de a oposição ser manipulada pela Rússia, Zurabichvil comentou: "Estamos no centro da atenção, daí as autoridades precisarem de fábulas sobre a Rússia".

"Quem, se não o Presidente, levou a Geórgia à situação em que se encontra? Quem não utilizou a oportunidade única de entrar na NATO e aproximar-se da União Europeia?", questionou Salomé Zurabichvili.

Sugerir correcção
Comentar