Uma garagem que passou a ser um Banco de Bens Doados

a É uma garagem de 4500 metros quadrados, mas em vez de carros tem lençóis acabados de chegar de um hotel que renova toda a roupa de cama de dois em dois meses. Tem computadores que uma empresa substituiu por outros mais modernos. Camisolas e berços que são excedentes de produção de uma cadeia de hipermercados. Tem camas que foram usadas pela NATO, durante um exercício militar, mas que não serviram a mais ninguém depois disso... É uma garagem especial, mudou de nome e de função para se tornar numa espécie de Banco Alimentar contra a Fome para tudo o que não serve para comer. Chama-se Banco de Bens Doados, conta com o apoio de várias empresas e é inaugurado hoje, Dia Internacional de Erradicação da Pobreza, pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. O projecto da Entrajuda - uma instituição particular de solidariedade social - fica na Quinta do Cabrinha, bairro que realojou muitos moradores do antigo e degradado Casal Ventoso, em Lisboa.
Bens que estavam condenados à destruição poderão agora ser distribuídos por mais de 1200 instituições - "para utilizarem nas suas instalações, podendo assim poupar e libertar recursos para outras áreas, ou para entregarem isto à população carenciada que acompanham", explica Isabel Jonet, o rosto do Banco Alimentar e presidente da Entrajuda.
Este projecto pretende também ajudar a mudar a Quinta do Cabrinha. "A primeira coisa que fizemos foi explicar o que estávamos a fazer; fizemos uma acção de pintura do bairro, com voluntários, e pintámo-lo por dentro com o apoio da Gebalis [empresa municipal]. E desafiamos os residentes a trabalhar connosco [no banco]." A ideia, diz, "é criar autonomias e mais vale dar uma boa ajuda durante um curto período de tempo do que dar toda a vida uma pequena ajuda".
A inauguração do Banco de Bens é apenas uma das iniciativas que marcará o Dia Internacional de Erradicação da Pobreza. A organização em Portugal do Levanta-te contra a Pobreza - movimento mundial destinado a alertar os governos para a necessidade de cumprir os Objectivos do Milénio - espera que até 50 mil portugueses possam mobilizar-se nas dezenas de acções que escolas, associações e outros grupos vão levar a cabo, diz Joana Pires, coordenadora da campanha Pobreza Zero.
O Colégio do Sagrado Coração de Maria, em Fátima, irá afixar uma faixa branca com a frase "Contra a Pobreza e pelos Objectivos do Milénio". Em Caneças há uma largada de balões. Na Ramada (Odivelas) o trânsito vai ser interrompido com teatro. Na Alameda da Universidade, em Lisboa, os estudantes deitam-se às 12h com uma almofada insuflável. No Porto, Coimbra e Évora a Rede Europeia Antipobreza-Portugal (Reapn) organiza três fóruns onde uma centena de pobres serão ouvidos por representantes de organismos públicos e privados. "Quem vai falar são os beneficiários", explica o padre Jardim Moreira, presidente da Reapn, "porque os pobres não têm voz e queremos dar-lhe voz."