Sócrates afasta aumento de propinas

Governo aprova crédito para estudantes do superior e afasta aumento de propinas

Mariano Gago anunciou também um reforço da acção social escolar para 2008
Foto
Mariano Gago anunciou também um reforço da acção social escolar para 2008 Carlos Lopes/PÚBLICO

O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, a criação de um sistema dedicado de empréstimos aos estudantes do ensino superior, num valor máximo de 25 mil euros, que serão concedidos sem garantias e com juros mais baixos para alunos com melhores notas. José Sócrates deixou também a garantia de que o valor das propinas não vai ser aumentado.

"Trata-se de criar melhores condições de acesso ao ensino superior e mais condições de justiça social e igualdade de oportunidades", disse o primeiro-ministro, José Sócrates, no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou o decreto-lei em causa, que cria "um sistema específico de empréstimo a estudantes e bolseiros do ensino superior".

Segundo José Sócrates, trata-se de um sistema "universal", porque poderá ser utilizado por todos os estudantes, e "automático", já que será concedido sem a necessidade dos alunos apresentarem qualquer "aval ou garantia".

"O Estado substitui-se nessa garantia", acrescentou José Sócrates, adiantando que será criado um fundo de garantia que visa cobrir eventuais incumprimentos dos alunos. Ou seja, o Estado depositará neste fundo de garantia dez por cento dos empréstimos totais, prevendo-se que chegue aos quatro milhões de euros por ano.

Ainda de acordo com o primeiro-ministro, o novo sistema de empréstimos "premeia o mérito", pois os juros estarão dependentes do rendimento escolar dos estudantes. "Os juros serão menores com melhores notas", sublinhou José Sócrates.

Sócrates garante que propinas não vão ser aumentadas

O primeiro-ministro esclareceu também que o novo sistema de empréstimos "nada tem que ver com o aumento de propinas". "Não haverá aumento de propinas", garantiu.

O novo sistema de empréstimos — que estava previsto desde 1997 mas que nunca tinha sido aplicado — "vai muito para além do pagamento de propinas, permitindo financiar toda a vivência universitária", acrescentou José Sócrates.

"Não se trata de substituir a acção social escolar, é algo mais, que a aumenta e complementa", salientou.

A este propósito, o ministro do Ensino Superior, Mariano Gago, adiantou que as verbas para a acção social escolar, "que financia os estudantes mais carenciados a fundo perdido", serão reforçadas no Orçamento de Estado para 2008. "Os fundos para as bolsas vão aumentar", especificou.

O novo sistema de empréstimos foi, segundo o primeiro-ministro, negociado com "todos os bancos", existindo já um texto que servirá de base ao acordo final a ser assinado entre as instituições financeiras e o fundo de garantia.

Questionado sobre se um estudante que chumbe o ano perderá o direito ao empréstimo, o ministro do Ensino Superior adiantou que, "se repetidamente um aluno não tiver sucesso escolar, o banco não renovará o empréstimo".

"Não é aconselhável que falhe nos estudos", acrescentou, insistindo que o sistema de empréstimos agora criado tem como principal objectivo "reforçar as condições" de todos os estudantes do ensino superior.