"É muito mais fácil ensinar matemática e ciência do que artes"

Conferência da UNESCO reúne centenas de cientistas, professores e artistas. Separação dos processos cognitivo e emocional é "completamente injustificada"

Nas últimas décadas o ensino tem privilegiado o desenvolvimento das áreas cognitivas, esquecendo que "um currículo escolar que integra as artes e as humanidades é imprescindível à formação de bons cidadãos", disse ontem o cientista português António Damásio, durante a Conferência Mundial de Educação Artística, que a UNESCO promove em Lisboa até quinta-feira. Para este investigador na área das neurociências, que interveio na sessão de abertura depois do director-geral da UNESCO, Koichiro Matsuura, e do Presidente da República, Jorge Sampaio, é necessário que a educação evolua de acordo com o princípio de que separar o processo cognitivo do emocional é "um erro".
"A divisão é completamente injustificada", defende Damásio. "A ciência e a matemática são muito importantes, mas a arte e as humanidades são imprescindíveis à imaginação e ao pensamento intuitivo que estão por trás do que é novo. As capacidades cognitivas não bastam."
Para o cientista, que diz compreender que os governos invistam na matemática e nas ciências por considerarem que isso os torna competitivos, "não devemos abdicar da educação artística só porque o tempo e os recursos são limitados". Educar, acrescenta, envolve a mente e o cérebro. Conceitos que estão habitualmente associados às artes - estética, belo, prazer - são na realidade "transversais". Não é por acaso, garante Damásio, que Einstein falava na beleza de uma demonstração matemática ou no facto de as equações serem "feias".
Apesar de serem muito diferentes um do outro - "o nosso processo emocional não se desenvolve com a mesma rapidez do cognitivo" -, são ambos fundamentais. "As emoções qualificam as ideias e as acções, sem elas não reflectiríamos", explica, acrescentando que a investigação actual defende que o desenvolvimento moral e ético se baseia em emoções. A poesia, a dança, o teatro ou as artes visuais podem ser usados para formar e treinar o espírito reflexivo, "o único que vale a pena ter".

A importância da imaginaçãoAntónio Damásio não tem dúvidas em afirmar que "é muito mais fácil ensinar matemática e ciência do que artes", posição com que Ken Robinson, especialista britânico em educação artística e criatividade, concorda. "As artes exigem tempo e um tipo de empenho diferente", diz. "Muitas vezes os professores não estão lá para ensinar os alunos, mas para ensinar matérias. A preparação para as artes não é tão boa como a retórica sobre as artes." Robinson, que hoje vive nos Estados Unidos e é consultor do J. Paul Getty Center de Los Angeles, defendeu em Lisboa que a imaginação é tão importante para os alunos do século XXI como os números e as letras, apesar de as artes estarem quase sempre no fim da lista de prioridades do ensino escolar público.
"Temos tendência a separar as artes da ciência, quando na realidade são complementares. Os grandes cientistas são incrivelmente criativos e intuitivos. O processo científico valida, demonstra. É a imaginação que cria." Para Robinson, as artes devem ser vistas como motor de transformação do sistema de ensino: "Gastamos muito tempo e energia a tentar fazer com que o actual sistema de ensino assimile as artes, quando devíamos era pensar em formas de criar, através delas, um sistema novo." Lucinda Canelas