Jardel "sem condições psicológicas" para o Sporting

A falta de "condições psicológicas" para permanecer neste momento em Portugal foi ontem evocada por Mário Jardel para pedir publicamente a sua dispensa do Sporting e ser emprestado a outro clube europeu fora de Portugal. Numa conferência de imprensa realizada na sede do Sindicato dos Jornalistas, em Lisboa, o jogador apelou à sensibilidade dos dirigentes e adeptos leoninos para compreenderem a sua decisão. Em comunicado, a SAD (Sociedade Anónima Desportiva) de Alvalade reagiu ao final da tarde afiançando que este assunto será objecto de "cuidada análise e ponderação", remetendo para momento oportuno decisões sobre a matéria."Esqueçam o Jardel jogador. Estou aqui como ser humano, com coração e sentimentos, igual a vocês. Neste momento não tenho condições psicológicas para estar em Portugal. Peço compreensão a todos os adeptos do Sporting. Passo por um momento difícil e esta foi uma decisão íntima, que só eu podia tomar. Estou aqui a expor-me de uma forma que poucos jogadores fariam". Foi desta forma, que Jardel tornou pública ontem, às 17h15, a sua intenção de sair temporariamente do Sporting, e ir jogar, eventualmente, num clube fora de Portugal, por empréstimo .Uma decisão que o avançado justificou com motivos de ordem pessoal: "Houve um rompimento na minha vida privada [a recente separação da sua mulher Karen Jardel] e coisas com a selecção brasileira [a não convocação para o Mundial] que me deixaram muito abatido. Tenho de procurar ajuda médica e é isso que vou fazer. Quando saio, onde quer que vá, lembro-me da minha família e não tenho condições para suportar isso."Sobre o Sporting, Jardel referiu que tem mais dois anos de contrato, que pretende cumprir, garantindo não ter qualquer proposta de outro clube, e já sensibilizou a direcção da SAD dos "leões" para a especificidade do momento que atravessa, esperando agora uma reacção do clube: "Não quero litígio, não quero briga. Só espero compreensão pelo lado humano. Estou cansado de sofrer. Ainda não sei a resposta do Sporting."Mas as razões enumeradas por Jardel para a sua saída poderão não ser apenas de ordem pessoal, segundo o PÚBLICO conseguiu apurar. O jogador, evidenciando alguma instabilidade, esteve na noite de quinta-feira reunido com responsáveis da SAD a quem repetiu insistentemente não ter condições para continuar em Portugal, mas apelando igualmente para que o clube não lhe cortasse as pernas em termos profissionais.Jardel falou mesmo na hipótese de poder alinhar no Barcelona esta época, não esclarecendo se recebera qualquer tipo de proposta do clube catalão. Alertados para esta hipótese, os dirigentes leoninos contactaram já ontem o emblema espanhol, de onde lhes foi garantido, por seu lado, não haver nada entre o Barcelona e Jardel. O responsável contactado referiu, no entanto, que nos últimos dias foram abordados pelo empresário de Jardel a oferecer os serviços do avançado. Uma situação que os catalães só equacionariam na eventualidade de haver uma permuta directa de jogadores, oferecendo para o caso outro brasileiro, o médio Geovanni, de 22 anos. Uma situação desconhecida até ontem pelos "leões" mas que, de qualquer forma, não iria despertar interesse à SAD de Alvalade, a qual só admite libertar Jardel pelos valores monetários estabelecidos na cláusula de rescisão.Confrontado ontem com a hipótese de poder rumar a Barcelona, Jardel reafirmou, ainda durante a conferência de imprensa no Sindicato dos Jornalistas, não ter tido qualquer proposta nem deste nem de nenhum outro clube, não negando, contudo, o prazer que lhe daria poder partir para a Catalunha: "Uma proposta do Barcelona era um dos meus sonhos, mas a verdade é que não a tenho. Se tivesse chegava aqui e mostrava. Aliás, se tivesse uma proposta ia directamente ao Sporting conversar."Depois de várias horas de reunião em local desconhecido de Lisboa, a SAD do Sporting, que esteve a analisar esta situação, reagiu em comunicado às palavras de Jardel já ao final da tarde de ontem. No documento, os responsáveis leoninos manifestaram alguma surpresa e "preocupação" pelo "meio", "local" e "oportunidade" escolhidas pelo jogador para a sua comunicação pública, assim como pelo "conteúdo" da mesma. De qualquer forma prometeram, usando da "compreensão para com o homem e atleta" possíveis, uma "cuidada análise e ponderação" o caso. E remeteram para "o momento próprio" as decisões "que melhor sirvam os interesses [do clube], sejam de natureza desportiva, sejam de natureza económica". Esta é assim mais uma pré-temporada atribulada de Mário Jardel, depois de na época passada ter vivido momentos de incerteza face ao seu futuro profissional: foi dado como hipótese no Benfica, certeza no FC Porto, acabando por assinar pelo Sporting já no decorrer no campeonato. Os festejos do título e o defeso trouxeram um sabor amargo ao goleador brasileiro, que entrou em ruptura na sua vida familiar, com a separação da sua esposa que o obrigou a viajar para o Brasil já no decorrer desta pré-temporada, de onde regressou há apenas três dias, com o processo a decorrer nos tribunais da sua cidade natal.A eventual saída de Jardel de Alvalade terá, como se calcula, enormes prejuízos no início de temporada dos campeões nacionais, ou não tivesse sido o brasileiro, de longe, o melhor goleador da época passada, com responsabilidades directas na conquista do título e Taça de Portugal. Um problema que se vem juntar ao castigo de outro dos mais influentes jogadores do ano transacto, João Pinto - o maior assistente dos golos de Jardel -, impedido pela FIFA de alinhar em competições oficiais até Outubro, depois de uma agressão a um árbitro no Mundial.Em vésperas de defrontar o Inter de Milão, na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões - adversário de respeito que conheceu precisamente ontem -, os "leões" vivem dias conturbados, com nuvens no horizonte. A substituição de Jardel e principalmente dos seus golos não é fácil e muito menos nesta fase da preparação. Esta noite, frente ao Benfica, em Alvalade (21h), poderá ter-se uma primeira percepção deste Sporting órfão dos seus dois maiores talentos.