Paris é uma festa!

Na cidade das luzes, ouve-se música nos cafés, nos bares, nos hotéis e nos restaurantes como o comprovam nove sofisticadas compilações agora editadas. Dos sons exóticos às novas tendências electrónicas, a música invade os espaços da cidade.

Nos últimos anos as compilações que pretendem reproduzir as sonoridades mais ouvidas em espaços de sociabilidade tornaram-se frequentes. A legitimação do papel do DJ, enquanto agente capaz de atribuir especificidade a um determinado espaço através de uma selecção musical personalizada, tornou possível que tal acontecesse. Primeiro foram os locais nocturnos onde se dança a implementar a nova ideia - convidar um DJ para que este tentasse reproduzir, através de uma selecção musical, alguns dos temas mais ouvidos nesse espaço. Mas a função do DJ expandiu-se e diversificou-se. De tal forma que passou de mero funcionário, capaz de colocar uma audiência em euforia, a agente activo na recriação dos mais diversos ambientes. Como se à funcionalidade de cada local tivesse que ser atribuída uma especificidade sónica. Por exemplo: jantar, beber um café, visitar uma galeria ou simplesmente estar tornaram-se também expedientes que permitem a criação de narrativas sónicas apropriadas. Uma série de compilações provenientes de França agora editadas dão conta dessa multi-funcionalidade do DJ e da forma como cada espaço - um café, um bar, um restaurante ou um hotel - tenta respirar singularidade através da música. Essa singularidade é desejada, mas nunca corresponde a uma vontade de diferenciação radical, como a colecção de sofisticadas compilações agora lançadas demonstram. Ou não navegassem quase todas elas entre as ramificações exóticas da música actual e as novas tendências dos diferentes sons urbanos electrónicos.Por exemplo, o restaurante Impala Lounge, a um passo dos Campos Elíseos, distingue-se pelas especialidades africanas associadas à gastronomia francesa. Mas não só. O local é também óptimo para beber um copo num ambiente musical envolvente e voluptuoso. Na compilação "Impala Lounge" os DJs da casa - Jam e Julio Black - propõem num CD-duplo uma mostra representativa dessa atmosfera onde proliferam ritmos e sabores africanos, sejam eles interpretados pelos naturais do continente (Bonga, Cesária Evora, Rokia Taaoré, Ray Lema & Tyour Gnaouva, The Pan African Orchestra, Tony Allen & The Afro Messangers) ou revistos pelas novas gerações europeias e americanas das modernas e diversas tendências dançantes, como Alexkid, Frederic Galliano, Faze Action, Masters At Work, Nuspirit Helsinki ou Beanfield. Impala Lounge - a pure selection of afro beats & electro tunes (7/10)No restaurante-bar Barrio Latino, situado na zona da Bastille, são as sonoridades quentes da América do Sul que estão em destaque. Mais uma vez, aquilo que o DJ do local (Carlos Campos) propõe é uma viagem por diversos ritmos (salsa, merengue ou mambo) onde se cruzam diversos olhares sobre o passado (Grupo Batuque, Tito Rojas, Leyanis Lopez, Puerto Rican Power) e o presente das músicas de raiz latina (Shazz, Russ Gabriel, Sidestepper, The Boys From Brazil ou Mo' Horizons). Localizado nos Campos Elíseos, o Latina Café aposta no mesmo tipo de atmosfera, com clássicos das diversas músicas sul-americanas (Carlinhos Brown, Lenine, Elvis Crespo, Celia Cruz & Ray Barreto, Cubanismo) a conviverem lado a lado com novas leituras desse legado por nomes como Tim Love Lee, Zuco 103, Nicola Conte, Buscemi, Up, Bustle & Out, St Germain, Kyoto Jazz Massive, Jose Padilla ou Da Lata.Barrio Latino II - by Carlos Campos (6/10)Latina Café - segundo volumen (7/10)O bairro de Saint-Germain é conhecido como sendo o berço do jazz em Paris. Não surpreende por isso que o Saint-Germain Café, situado junto ao rio Sena, aposte essencialmente em sonoridades jazzísticas tal como elas têm vindo a ser apropriadas pelas novas gerações. Na excelente compilação agora lançada são audíveis longas digressões jazzísticas recheadas de "swing" ensaiadas por nomes como os Jazzanova (remistura de Yukihiro Fukutomi), Ian Simmonds, Taxi, Rubin Steiner, De-Phazz, Megashira, Bugge Wesseltoft, Barrio Jazz Gang, Grand Tourism & Terry Callier e, claro, St Germain. Saint-Germain Café - the finest electro-jazz compilation (8/10)Localizado na Praça Vendôme, o Hotel Costes é local de encontro do 'jet set' parisiense. E que música se ouve? A crer nas duas compilações agora lançadas, da responsabilidade do DJ Stéphane Pompougnac, sofisticadas, harmoniosas e quentes sonoridades electrónicas. Nada de admirar quando os temas seleccionados são da autoria de nomes como os A Reminiscent Drive, Gotan Project, Troublemakers, Hacienta, Can 7 ou Shirley Bassey. E se é assim no 3 volume da colecção, no 4 não é muito diferente, com as escolhas a recairem sobre projectos como Thunderball, Doctor Rockit, Gotan Project ou Scott Grooves. Hôtel Costes - Etage 3 (7/10)Hôtel Costes - quatre (7/10, Wagram)No Buddha Bar a música convida ao sonho e à criação de universos mágicos, o que nem sempre são boas notícias. Os ritmos orientais misturam-se com ambientes hispânicos e música sacra com sonoridades como o trip-hop ou o deep-house. É isso que Claude Challe arquitecta no CD-duplo "Buddha-Bar 2" com resultados nem sempre interessantes, embora a presença de temas da autoria de nomes como Deadbeats, Funky Lowlives, dZhian & kamien, Suba, Rollercone ou Attaboy consiga equilibrar a tendência inicial para a algo inconsequente contemplação mística. Em "San Carlo by Budda Bar" e "Buddha Bar III", com selecção de temas a cargo de Ravin, a tendência mantêm-se, com a face A de cada CD mais focado em contemplativas sonoridades exóticas (Nicos, John Kaizan Neptune, Manuel Franjo ou Tulku), enquanto a face B aposta mais em novas abordagens fusionistas (Gotan Project, Ekova, Talvin Singh, Kodo ou Badmarsh & Shri). Buddha-Bar II - by Claude Challe (5/10) Buddha-Bar III - by Ravin (5/10)Chill Out In Paris - San Carlo Dal by Buddha Bar (5/10)Todos os CDs são uma edição da Wagram com distribuição em Portugal via Música Alternativa.