A Masmorra abriu uma “brecha” nos Açores para potenciar a igualdade LGBTI nas artes

Em São Miguel, uma plataforma de experimentação dedicada a artistas com identidades de género não normativas vai preencher o mês de Novembro com nove residências e outras tantas exposições.

Foto
As responsáveis da Masmorra: Mafalda Araújo, Maria Novo, Irina Pereira e Mafalda Fernandes (da esquerda para a direita)a Rui Soares

Esta não é uma Masmorra comum. Em vez de uma prisão, é um espaço de liberdade. Um local de partilha e não de isolamento. Há uma certa ironia no nome do projecto que pretende potenciar os espaços queer em São Miguel, promovendo a inclusão através da arte. Talvez a designação permita fortalecer a imagem de um espaço seguro para as pessoas LGBTI – uma das principais razões de ser da Masmorra.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários