Nova Iorque

Esta praia é um “porto de abrigo” (e de festas) para pessoas LGBT. Mas a paisagem está a mudar

Junto a uma praia, em Queens, Nova Iorque, existe um hospital em ruínas que a comunidade LGBTQI+ não pretende ver demolido e transformado num parque. O hospital é uma presença icónica na praia que é um "porto de abrigo" para minorias segregadas desde os anos 1960.

O venezuelano Reuben Rodriguez, 27, à esquerda, e Ivan Adroder, 23, de Porto Rico beijam-se na praia em frente ao Neponsit Hospital, no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Fotogaleria
O venezuelano Reuben Rodriguez, 27, à esquerda, e Ivan Adroder, 23, de Porto Rico beijam-se na praia em frente ao Neponsit Hospital, no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH

Numa petição lançada há mais de um ano na plataforma Change.org em nome da comunidade LGBTQI+ nova-iorquina, 799 signatários exigiam a suspensão do plano municipal que prevê a demolição do Hospital Neponsit, em Queens. O hospital, que acolheu doentes com tuberculose entre 1915 e 1955 e que funcionou, desde essa data até 1998, como lar de idosos, encontra-se encerrado e em ruína desde então. 

Diante do hospital, existe uma praia que se tornou um marco para a comunidade LGBTQI+ após a morte por afogamento de Oswaldo Gómez, conhecido por Miss Colombia. Na petição supramencionada, pode ler-se que "a comunidade LGBTQI+ há muito abraçou esta secção de Jacob Riis Park, onde se reúne para tomar banhos de sol e recordar Miss Colômbia". "A praia já serviu mulheres, minorias e membros da comunidade LGBTQI+ quando (...) não tinham lugar noutras praias devido a discriminação e segregação por parte do Governo. Esta praia é um porto de abrigo onde as pessoas se podem expressar de forma autêntica, sem medo do julgamento alheio, assédio ou abuso."

Ao longo dos últimos meses, a Reuters tem visitado a praia e documentado as festas de decorrem por lá, diante do edifício abandonado em que estão inscritos, a graffiti, os chavões "Queer Trans Power" e "Know Your Power". "Gostaríamos de ter a garantia de que poderemos continuar a usar este espaço, que é desde sempre o 'nosso' espaço, aquele onde as pessoas da comunidade queer se reúnem", disse à agência noticiosa Victoria Cruz, de 76 anos, que frequenta Jacob Riis Park desde a década de 1960. Conhecida por Rainha de Riis, Cruz afirma que "esta é a praia do povo". "E nós somos o povo."

Mas nem todos estão de acordo com a manutenção do edifício hospitalar. Os residentes daquela zona de Queens temem os riscos para a saúde pública que o edifício pode representar. A estudante Jenna Tipaldo, de 25 anos, teme o colapso da estrutura, que contém amianto, e o surgimento de pragas no seu interior, que poderão alastrar-se aos edifícios circundantes.

A corporação de utilidade pública sem fins lucrativos ​New York City Health and Hospitals, a quem pertence o hospital, tem reunido com os residentes e com a comunidade LGBTQI+ no sentido de compreender e discutir as suas preocupações. "Continuaremos a interagir com as comunidades para irmos ao encontro dos seus interesses e, ao mesmo tempo, garantir a segurança pública", explicou à Reuters Stephanie Buhle, do gabinete de comunicação da corporação. 

Joann Ariola, vereadora da jurisdição onde se insere o edifício, transmitiu à Reuters que está prevista a construção de um parque no lugar do hospital, e que o processo de demolição se encontra em curso. Estima-se que o parque seja inaugurado antes da época balnear de 2023.

Lourans Francis posa para uma fotografia durante uma festa LGBT no Jacob Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA
Lourans Francis posa para uma fotografia durante uma festa LGBT no Jacob Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Pessoas caminham ao longo da costa no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Pessoas caminham ao longo da costa no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Dia passado no "The People's Beach", como é conhecida a parte LGBTQI+ da praia
Dia passado no "The People's Beach", como é conhecida a parte LGBTQI+ da praia Reuters/STEPHANIE KEITH
Timothy French posa para um retrato com a sua colecção de bonecas Barbie no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Timothy French posa para um retrato com a sua colecção de bonecas Barbie no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Membros da comunidade LGBTQI+ beira-mar vestidos de Miss Columbia, já falecida, durante uma celebração da sua vida em Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Membros da comunidade LGBTQI+ beira-mar vestidos de Miss Columbia, já falecida, durante uma celebração da sua vida em Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Carlos Villacres abraça uma pessoa vestida de Miss Columbia, durante uma celebração da sua vida em Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Carlos Villacres abraça uma pessoa vestida de Miss Columbia, durante uma celebração da sua vida em Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Pessoas posam para uma fotografia de grupo durante a celebração da vida de Miss Columbia no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Pessoas posam para uma fotografia de grupo durante a celebração da vida de Miss Columbia no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Pessoas posam para uma fotografia de grupo durante a celebração da vida de Miss Columbia no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Pessoas posam para uma fotografia de grupo durante a celebração da vida de Miss Columbia no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Pessoas posam para uma fotografia de grupo durante a celebração da vida de Miss Columbia no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Pessoas posam para uma fotografia de grupo durante a celebração da vida de Miss Columbia no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Michael Leedy posa para um retrato, no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Michael Leedy posa para um retrato, no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Carlos Villacres enche um colchão insuflável na praia, no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA
Carlos Villacres enche um colchão insuflável na praia, no Jacob Riis Park, Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Agustin Sanchez posa para um retrato perto de Neponsit Hospital, durante o evento Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA
Agustin Sanchez posa para um retrato perto de Neponsit Hospital, durante o evento Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Uma saia com as cores do arco-íris ondula ao vento num evento chamado Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA
Uma saia com as cores do arco-íris ondula ao vento num evento chamado Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Performer trans aceita gorjetas durante uma performance no evento Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA
Performer trans aceita gorjetas durante uma performance no evento Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH
Uma pessoa fuma marijuana no evento Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA
Uma pessoa fuma marijuana no evento Riis Beach Pride, no Riis Park, em Queens, Nova Iorque, EUA Reuters/STEPHANIE KEITH