Eles não escolhem só uma pessoa para amar. Deixaram a monogamia e isso “é libertador”

Encontrar a tal pessoa — a “alma gémea” — chega a tornar-se num sufocante propósito de vida. O amor monogâmico é publicitado como “o amor bom e que funciona”. Mas quantos “até que a morte nos separe” são cumpridos? E porque é que se pode gostar de vários amigos, mas só de um parceiro romântico? Marcela, João e Marta não encontraram respostas e deixaram a monogamia. “É libertador”, garantem.

NFS Nuno Ferreira Santos - 09 Junho 2022 -  Joao Pinheiro ++ Psobre o tema nao-monogamia e poliamor
Fotogaleria
João Pinheiro é anarquista relacional praticante Nuno Ferreira Santos
#NMA Nuno Alexandre – 22 de julho 2022 – Retratos à psicóloga Marcela Aroeira, jardim da Estrela, Lisboa. Público
Fotogaleria
Psicóloga Marcela Aroeira no Jardim da Estrela, Lisboa.

Se o amor épico de Romeu e Julieta — e a morte como uma ideia mais fácil de suportar do que a vida sem a “cara metade” —, não fosse suficiente para nos convencer a procurar a aclamada alma gémea, sobrava um vastíssimo rol de outras opções: a Bela Adormecida que acorda com o beijo do príncipe; Jack que se sacrifica para salvar Rose; Blimunda que é Sete-Luas num reverso perfeito dos Sete-Sóis de Baltasar. E, já agora, o próprio Sol e a Lua, a noite e o dia, o calor e o frio, o Yin e Yang — o par como equilíbrio. E, claro, qualquer música que esteja a passar na rádio neste momento.

Sugerir correcção
Ler 102 comentários