Vamos ser mordidos no Pavilhão de Portugal na Bienal de Veneza

Pela primeira vez no Palácio Franchetti, o novo espaço que será também usado pela Bienal de Arquitectura, a representação oficial portuguesa na Bienal de Arte fez-se com Vampiros no Espaço, de Pedro Neves Marques, na presença do novo ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva.

Foto
Representação oficial portuguesa na Bienal de Arte de Veneza ocupa pela primeira vez o Palácio Franchetti, com projecto de Pedro Neves Marques cortesia bienal de arte de veneza

A representação oficial portuguesa na Bienal de Arte de Veneza ocupa pela primeira vez o Palácio Franchetti, situado mesmo em frente à Galeria da Academia, um dos museus mais importantes desta cidade italiana. A inauguração do Pavilhão de Portugal no novo espaço, e que também passará a ser usado na Bienal de Arquitectura, fez-se na tarde desta sexta-feira com um projecto de Pedro Neves Marques, artista, cineasta e escritor (prefere “escritore”​), na presença do novo ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva.

Sugerir correcção
Comentar