São Jorge, uma ilha com medo da catástrofe: “Já se foi tudo embora, aqui ninguém quer ficar”

Vários habitantes das Velas estão a abandonar as suas casas. Rumam ao outro concelho da ilha ou para outras paragens do arquipélago perante a iminência de um sismo de grande magnitude ou de uma erupção vulcânica.

Foto
dia a Calheta, zona considerada das mais seguras neste momento na ilha de São Jorge Rui Soares

De lágrimas cavadas no rosto, Natércia Fernandes está abraçada às filhas à entrada do aeroporto de São Jorge, nos Açores. Uma tem nove anos, a outra 19 meses. É um abraço penoso, que marca uma despedida sem data de regresso. A crise sismovulcânica que está a abalar a ilha levou-a a tomar a decisão “mais difícil que podia imaginar”.

Sugerir correcção
Comentar