Muamba Grove: os corpos em mudança de Vanessa Silva vão estar no Regents Park

As esculturas da série Muamba Grove, da artista Vanessa da Silva, vão integrar a Frieze Sculpture 2021, no Regents Park, em Londres. A exposição pode ser visitada entre 14 de Setembro e 31 de Outubro

Foto
Muamba Grove Galeria Duarte Sequeira

É com esculturas inspiradas na condição de deslocada que a artista plástica Vanessa da Silva e a Galeria Duarte Sequeira, de Braga, integram a nova edição do Frieze Sculpture 2021, no Regents Park, em Londres. A escultora e a galeria participam na exposição de arte contemporânea com a série Muamba Grove, que poderá ser vista entre 14 de Setembro e 31 de Outubro.

Enquanto brasileira e emigrante em Londres desde 2001, Vanessa da Silva gosta de abordar questões de formação de identidade, migração e deslocamento. Para a artista, “Muamba Grove está intimamente ligada à ideia do deslocamento, à forma como os corpos se transformam com o deslocamento”. O projecto partiu, conforme conta ao P3, da vontade de ligar o corpo ao movimento e perceber como se transforma com a mudança. “Existe um elemento alien. Você não sabe o que acontece, mas você se molda (ao contexto), se transforma para se adaptar, para se encaixar. Como me movimento ou como me expresso vai modificando-se”, diz Vanessa que se inspirou na própria vivência para realizar estas peças.

Foto
Galeria Duarte Sequeira

Vanessa nasceu em São Paulo, estudou design de produto na Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), também em São Paulo, e concluiu o mestrado em pintura no Royal College of Art, em Londres. Reconhece o quanto o seu corpo e as expressões se alteraram com esta mudança de país, de clima e de cultura. A escultora revela que existe, nas peças que cria, “uma relação directa com o corpo, que não tem género específico — nem 100% humano, nem 100% natureza”. “É algo novo.”

O próprio nome da série reflecte o sentimento do deslocamento. Na gíria brasileira, muamba é, segundo revela, “um produto que vem de um país para o outro, debaixo de pano, como se fosse contrabando”. Já o grove, entende Vanessa, relaciona-se em simultâneo com o movimento do corpo e as partes mais finas do trabalho. Vanessa traduz, então, Muamba Grove como “corpo em movimento, em lugares diferentes”. A condição de emigrante é um elemento catalisador nos temas de pesquisa da artista.

“Levar escultura para o espaço público, para um jardim público (Regents Park), para que as pessoas possam interagir com as peças” é o que anima a artista. As três peças que compõem a série têm entre os 2,60 e os 4,50 metros de altura, são feitas de fibra de vidro, resina e tinta UV sobre uma estrutura de ferro.

Foto
Galeria Duarte Sequeira

Duarte Sequeira, director da galeria com o mesmo nome, considera que esta presença em Londres é a oportunidade para “estar ao lado das melhores galerias internacionais e nacionais e dos melhores artistas”.

No ano da sua residência na Galeria Duarte Sequeira, em 2020, Vanessa da Silva recebeu, ainda, o Hopper Prize (EUA) e o prémio Gilbert Bayes, da Royal Society of Sculptors, do Reino Unido.

A Frieze Sculpture 2021 reúne trabalhos que abordam temas como as estruturas de poder geopolítico, a preocupação ambiental e a arquitectura. Com curadoria de Clare Lilley, directora de programa do Yorkshire Sculpture Park, a edição de 2021 apresenta, para além de Vanessa da Silva, nomes como Rasheed Araeen, Daniel Arsham, Anthony Caro, Gisela Colón ou Solange Pessoa.

Texto editado por Ana Maria Henriques