Portugal não aguentou o poderio da Dinamarca no andebol

Selecção nacional terá de vencer o Japão na derradeira jornada para conseguir o apuramento, mas o empate até poderá bastar.

Foto
Susana Vera/Reuters

Houve uma história na primeira parte e uma outra, completamente diferente, na segunda do jogo da 4.ª jornada do Grupo B da competição olímpica de andebol. Em Tóquio, Portugal deu luta à Dinamarca nos primeiros 30 minutos, antes de os bicampeões mundiais acelerarem para um triunfo natural (34-28), que os mantém na liderança da classificação, só com vitórias somadas.

A selecção portuguesa tem dado provas permanentes de evolução e superação ao longo dos últimos anos e o simples facto de estar presente nos Jogos Olímpicos é a prova mais cabal dessa realidade. E foi essa equipa, astuta, trabalhadora e organizada que fez frente ao campeão olímpico em título no primeiro tempo.

A Dinamarca entrou melhor, chegou a ter quatro golos de vantagem a meio da primeira metade do encontro, mas Portugal nunca se deixou abater e foi recuperando paulatinamente. A um período de maior precipitação na finalização, com ataques muito curtos, seguiu-se uma fase de maior paciência em organização ofensiva, com Diogo Branquinho e João Ferraz a ajudarem a nivelar o marcador.

Ao intervalo, registava-se um 20-19 para os dinamarqueses, que entraram a todo o gás no segundo tempo. E bastou um período de oito minutos de ineficácia portuguesa nas acções de ataque para o adversário ganhar uma vantagem confortável no resultado, que lhe permitiu uma gestão sem grandes contratempos até final.

Só nos derradeiros dez minutos Portugal conseguiu recuperar alguma capacidade de finalização, mas já não foi a tempo de evitar um desaire por seis golos de diferença, que o deixa no quarto lugar do Grupo B, ainda em posição de qualificação para a fase a eliminar. O encontro decisivo será no domingo, diante do Japão, sendo que um triunfo significará o apuramento e o empate poderá também servir, em função do resultado do Bahrein-Egipto.