“Não podemos relativizar esta pandemia que é a violência contra as mulheres e a violência doméstica”

Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade explica o que está feito e o que falta fazer dois anos depois de aprovada a resolução com medidas e acções prioritárias de prevenção e combate à violência doméstica

Foto
Rosa Monteiro ao PÚBLICO: “Este é um trabalho contínuo. Não podemos abrandar" Miguel Manso

Desde 3 de Maio, 500 funcionários da administração pública receberam formação sobre violência doméstica e de género. É só o arranque de um processo que, até ao primeiro semestre de 2023, deve alcançar 12 mil profissionais.

Sugerir correcção
Comentar