Polónia

Canibalismo, fome e morte: esta quinta de raposas saiu “dos mais chocantes pesadelos”

Andrew Skowron participou no resgate de 18 raposas numa quinta polaca. Mas não estava à espera do cenário que lá encontrou. Atenção: esta fotogaleria contém imagens que podem ser consideradas chocantes.

Andrew Skowron
Fotogaleria
Andrew Skowron

Foi mais uma das muitas intervenções da Otwarte Klatki, uma organização polaca pelos direitos dos animais, que o fotógrafo Andrew Skowron acompanhou — mas, desta vez, o que os activistas encontraram dentro desta quinta na Polónia era "algo de que ninguém estava à espera".

A 30 de Outubro, depois de a organização ter recebido uma mensagem a indicar que uma raposa poderia ter fugido da quinta — o que é relativamente comum —, a equipa dirigiu-se ao local. Quando lá chegaram, perceberam que "não era, contudo, apenas uma raposa, mas sim um grupo de raposas". "E isso é bastante incomum", escreve Bogna Wiltowska, director de investigações da Otwarte Klatki, num email enviado em conjunto com o fotógrafo ao P3. Primeiro, colocou-se a hipótese de alguém ter libertado os animais, mas, quando entraram na quinta, depararam-se com "um cenário de horror".

Foram recebidos por raposas que "corriam livremente pelo perímetro da quinta" e rapidamente encontraram "montes de raposas mortas em jaulas" — 130, contaram as autoridades — e, junto da vedação, uma jaula com cães mortos. As raposas, acredita o fotógrafo, teriam sido mortas por choque eléctrico, como é habitual nestes casos, e estariam preparadas para que lhes fosse retirada a pele, mas acabaram por ser deixadas a apodrecer. O pior cenário estava ainda por descobrir: "Duas dezenas de animais presos em jaulas sem comida ou bebida", descreve Andrew. "Os animais lutavam por qualquer gota de água. Os mais fracos foram comidos pelos mais fortes, os mortos apodreciam à beira dos vivos. Uma imagem retirada dos mais chocantes pesadelos."

Além do canibalismo, o fotógrafo ficou impressionado com "os dentes partidos das raposas, que teriam tentado roer as redes das jaulas" para escapar — terá sido assim que muitas conseguiram. E nunca vai esquecer a imagem de uma raposa que morreu entalada num buraco que conseguiu abrir na rede, garante. Dois animais tiveram que ser eutanasiados pela equipa de veterinários que esteve na quinta.

Os activistas foram acompanhados pela polícia ao local. A quinta, apuraram, pertence a um homem que está preso e as autoridades não conseguiram estabelecer contacto com a pessoa indicada por ele, que estaria encarregada dos animais. As autoridades estimam que as raposas estavam sem cuidados há, pelo menos, 12 dias, e não sabem quando teriam sido mortas. Também foram encontrados cadáveres enterrados debaixo de um monte de excrementos, já em decomposição, mas não se sabe quando teriam sido enterrados.

Apesar do cenário bizarro, 18 destas raposas tiveram um final feliz: foram resgatadas e estão "em centros e santuários para reabilitação de animais selvagens", refere Bogna. "Todas as raposas estão sob cuidados veterinários, algumas delas irão precisar de tratamento mais longo." Há uma angariação de fundos para ajudar estas raposas a decorrer aqui. A nível legal, polícia e procuradores estão a investigar o caso. E os activistas avisam: "Vamos lutar para levar os criminosos a tribunal." 

Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Andrew Skowron
Sugerir correcção