ipsilon,david-ferreira,antonio-variacoes,homossexualidade,fotografia,culturaipsilon,
Teresa Couto Pinto
Entrevista

Quem é a “autora desconhecida” que ajudou a tornar António Variações um ícone?

Chegou o momento de Teresa Couto Pinto mostrar ao que vem: foi ela que apanhou um Variações a preparar-se para ser cantor; um Variações radiante com as primeiras gravações; um Variações já em modo meteorito. Estes e outros Variações (em imagens nunca vistas) estão num livro da amiga, da manager e da fotógrafa que mais retratou o cantor.

Quando pensamos em António Variações, há imagens que não nos saem da cabeça. Como aquela em que finge espetar uma tesoura gigante no peito. Aquela em que parece um sultão árabe enrolado em lenços de tons violeta. Aquela em que reluzem dobradiças num pescoço moreno sobre pinheiros mansos na praia. Ou aquela em que a tesoura de barbeiro e o microfone se moldam ao seu rosto e pairam sobre si, num resumo mais do que perfeito. Conhecemos estas imagens de cor e salteado, acompanham-nos há décadas e, no entanto, não sabíamos quase nada sobre quem as tirou. Teresa Couto Pinto (Malange, Angola, 1961), amiga, manager e fotógrafa de Variações, eclipsou-se logo depois da morte do cantor, em 1984, e nunca tinha reclamado verdadeiramente o que é seu: a autoria de boa parte das imagens que ajudaram a construir um ícone pop.