Covid-19

Prontos para um drive-in de susto? Há uma nova “casa assombrada” em Tóquio

O grupo japonês Kowagarasetai encontrou uma forma de assustar os outros de forma segura durante a pandemia: uma "casa assombrada" em formato drive-in.

ISSEI KATO/Reuters
Fotogaleria
ISSEI KATO/Reuters

Tens saudades de apanhar um susto em casas assombradas e diversões terroríficas, mas ao mesmo tempo tens medo do novo coronavírus? Um grupo de performance japonês arranjou uma solução para o teu problema: um espectáculo drive-in de terror.

O projecto arrancou em Tóquio, no Japão. Os membros da audiência são convidados a conduzir até a uma garagem, onde, uma vez lá dentro, não há como escapar: terão de ouvir uma história de terror acompanhada de efeitos sonoro com actores vestidos de monstros que batem no carro e borrifam as janelas de sangue falso.

O grupo Kowagarasetai (que, traduzido à letra, significa “esquadrão do susto”) prepara-se para assustar 11 carros por dia nos fins-de-semana de Julho e possivelmente Agosto, segundo disse o coordenador Kenta Iawana à Reuters. Cada sessão tem o custo de 9 mil ienes (cerca de 74 euros). Os espectáculos duram 15 minutos. Quem não tem carro, pode sempre pedir emprestado.

Antes da pandemia, o grupo Kowagarasetai levava a cena espectáculos itinerantes em parques temáticos, mas as marcações começaram naturalmente a decair. Tentaram ainda fazer espectáculos com distanciamento social, o que implicava que os performers estabelecessem dois metros de distância entre eles e o público, mas tal tornava a experiência “aborrecida”, segundo Iawana. “O drive-in permitirá às pessoas experienciarem os nossos espectáculos de casa assombrada”, afirmou à Reuters. “Talvez os continuemos depois da pandemia.”

O Japão tem revelado bons resultados na contenção do surto de covid-19, tendo o Governo declarado o fim do estado de emergência no último mês. No entanto, os casos em Tóquio têm aumentado na última semana, com um registo diário de infecções a exceder as 100 pessoas na quinta e na sexta-feira passadas. 

Texto editado por Amanda Ribeiro

ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
ISSEI KATO/Reuters
Sugerir correcção