Secção Regional da Ordem dos Médicos
Fotogaleria
Hospital de Campanha montado no Pavilhão Rosa Mota, no Porto Nelson Garrido
Fotogaleria
Hospital de Campanha montado no Pavilhão Rosa Mota, no Porto Nelson Garrido
Fotogaleria
Hospital de Campanha montado no Pavilhão Rosa Mota, no Porto Nelson Garrido
Pavilhão Rosa Mota
Fotogaleria
Nelson Garrido
,Hospital de campanha
Fotogaleria
Hospital de Campanha montado no Estádio Universitário, em Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
Hospital de Campanha montado no Estádio Universitário, em Lisboa Miguel Manso
Fotogaleria
Hospital de Campanha montado no Estádio Universitário, em Lisboa Miguel Manso

Muitas camas e sem doentes: grande parte dos hospitais de campanha ficaram vazios

Em Março e no início de Abril, as imagens que chegavam a Portugal dos hospitais de Espanha e Itália, lotados e sem capacidade de resposta, pesaram na rapidez com que muitas autarquias avançaram para a instalação de hospitais de campanha.

Quando os responsáveis da Câmara do Porto pensaram em colocar o Pavilhão Rosa Mota ao serviço do ataque à pandemia da covid-19, a ideia inicial não era a de transformar o espaço num hospital de campanha. Em Março, quando as notícias da descoberta de vários idosos infectados em lares vieram a público, o município pensou em usar o espaço como local de acolhimento dos residentes dessas unidades de apoio, na eventualidade de se multiplicarem os casos. Mas, com os hospitais da cidade assoberbados com a primeira vaga de infectados, acordou-se que o mais necessário era um hospital de retaguarda. E este, a par com o de Ovar, acabou por ser dos poucos a ter, efectivamente, actividade clínica. A evolução favorável da pandemia levou a que a maior parte destas estruturas, montadas rapidamente por todo o país, não chegasse a ser utilizada.