Quaresma insurge-se contra “populismo racista de André Ventura”

Futebolista português fez uma publicação nas redes sociais em que apela ao fim da discriminação, numa resposta a uma posição recente do deputado.

Foto
Ricardo Quaresma criticou André Ventura dr

Foi com o logótipo da campanha “Todos diferentes, todos iguais” que Ricardo Quaresma, internacional português e um dos campeões da Europa em 2016, em França, se insurgiu nas redes sociais contra André Ventura, líder do Chega. O jogador do Kasimpasa denuncia o que considera ser o “populismo racista” do deputado e sublinha que sempre foi um defensor da igualdade.

“Triste de quem tenta ser alguém na vida atirando os homens uns contra os outros”. É assim que Quaresma, 36 anos e um capital tremendo no futebol português e fora de portas, inicia o texto que publicou no Facebook e que apela ao fim da discriminação de qualquer tipo, seja em que contexto for.

“Triste de quem se ajoelha só para ficar bem na fotografia, para enganar os outros e parecer um homem de bem aos olhos do povo”. Quaresma sublinha, a propósito, que a selecção nacional de futebol é um pólo aglutinador de culturas – “é de todas as cores, pretos, brancos e até ciganos” – e assume, sem rodeios, as suas raízes ligadas à comunidade cigana.

De resto, o jogador, que ao longo da carreira representou Sporting, FC Porto, Barcelona, Inter Milão, Chelsea ou Besiktas, sempre foi um dos rostos públicos de campanhas contra o racismo: “Eu sou cigano. Cigano como todos os outros ciganos e sou português como todos os outros portugueses e não sou nem mais nem menos por isso”, insiste.

“O populismo racista do André Ventura apenas serve para virar homens contra homens em nome de uma ambição pelo poder que a história já provou ser um caminho de perdição para a humanidade”, afirma Ricardo Quaresma, numa resposta evidente às recentes intenções do deputado do Chega, que reclama “mais policiamento, maior investimento em acções de formação e sensibilização e regras de confinamento específicas" para a comunidade cigana.

Quaresma termina a mensagem com um apelo, em jeito de alerta: “Olhos abertos amigos, o racismo apenas serve para criar guerras entre os homens em que apenas quem as provoca é que ganha algo com isso”.

André Ventura reagiu às declarações de Quaresma, declarando ao Correio da Manhã: “É lamentável que um jogador da selecção nacional se envolva em política. Espero que as autoridades do futebol não deixem que isto se torne o novo normal.”