LUSA/THIBAULT VANDERMERSCH
Foto
LUSA/THIBAULT VANDERMERSCH

Covid-19: futuros enfermeiros respondem a dúvidas de saúde online

O Enfermagem Online é operado por alunos finalistas de Enfermagem da Universidade do Minho, que, com supervisão de professores, prestam apoio, de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h, gratuitamente.

A Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho (UMinho) tem um novo serviço de apoio à população — Enfermagem Online — para ajudar a tirar dúvidas sobre o surto de covid-19 e, assim, aliviar os serviços de saúde. São os alunos finalistas da licenciatura em Enfermagem quem responde, à distância, às questões da população.

Ao P3, Analisa Candeias, professora-adjunta na UMinho, conta que o projecto surgiu a partir de uma articulação que já estava definida com o Centro de Medicina Digital P5, da mesma universidade. “Com a confusão da pandemia”, revela, “conseguiu-se desenvolver um serviço, mais rápido”.

A nova plataforma destina-se à “população em geral, para ajudar o Serviço Nacional de Saúde e também para aliviar serviços como centros de saúde e urgências”. O Enfermagem Onlinen funciona de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h, e está activo desde 6 de Abril. As questões têm sido “todas muito relacionadas com a covid-19, mas associadas a patologias de base, problemas de saúde que já existiam, e dúvidas da relação entre estes e o novo coronavírus”, explica Analisa Candeias.

Diariamente, os estudantes são supervisionados por um professor e as respostas que dão têm de ser aprovadas. “Se não fosse a situação da pandemia, estariam em estágio de integração à vida profissional” e seriam graduados já em Julho. Desta forma, pelo menos, continua a docente, “desenvolvem competências acrescidas, transversais”.

“Todos os contactos efectuados foram bem-sucedidos”, aponta. Está a ser equacionado o alargamento do horário de atendimento. E, após o surto de covid-19, “a Enfermagem Online vai ser para continuar”. “Temos várias áreas de especialização no âmbito da enfermagem e o nosso objectivo é alargar nesse sentido.”

Sugerir correcção