Conselho de Arbitragem investigado por suspeitas de corrupção e falsificação de documentos

Ex-árbitro Jorge Ferreira fez denúncia contra órgão federativo, denunciando pressões para beneficiar os clubes com mais poder. PGR confirma ao PÚBLICO abertura de inquérito.

Foto
Árbitro assumiu que sofreu pressões NFACTOS / GONCALO DELGADO

O Ministério Público está a investigar o Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), confirmou o PÚBLICO junto da Procuradoria-Geral da República (PGR). A mesma fonte confirmou que foi aberto um inquérito, sujeito a segredo de justiça, que se encontra a ser investigado no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). 

A notícia foi avançada pela RTP, que adiantou que as investigações tiveram início numa queixa feita pelo ex-árbitro Jorge Ferreira. O antigo profissional de arbitragem revelou ter sido o autor das informações enviadas às autoridades. Em causa estão alegados crimes de corrupção e falsificação de documentos. O árbitro garantiu ainda, em entrevista ao mesmo canal, que sofreu pressões para beneficiar os clubes com maior poder

“Já fui ouvido e a Polícia Judiciária (PJ) arrolou várias testemunhas. [Falei] das ilegalidades que o CA tem efectuado. Essencialmente dois tipos: corrupção e falsificação de documentos. As provas que tenho foram entregues à PJ. O Conselho de Arbitragem quer agradar aos árbitros e aos clubes, aos que têm poder. Os três grandes, essencialmente”, afirmou o árbitro.

Jorge Ferreira diz que as pressões para beneficiar os “três grandes” eram feitas pelos dirigentes deste órgão de arbitragem. “Pode ser feito através de um telefonema ou pessoalmente. Dizem-nos: ‘Tu estás bem, vais fazer um jogo, prepara-te. Olha que eles já estão a falar muito'”, exemplifica, acrescentando que a pressão que existia sobre os juízes “dependia da tabela" classificativa. "Isso hoje continua a acontecer”, garante.

O CA não faz, para já, comentários sobre esta investigação, apurou o PÚBLICO junto de fonte da entidade.

PÚBLICO -
Foto
Denúncia foi feita por Jorge Ferreira, ex-árbitro DR

No final da temporada 2016-17, o árbitro Jorge Ferreira foi despromovido à segunda categoria (C2), decisão que contestou, alegando existirem incompatibilidades no processo de classificação. Um dos avaliadores naquela época, Paulo Costa, é irmão de Rui Costa, árbitro de primeira categoria (C1). Esta ligação familiar foi denunciada pelo árbitro, obrigando o CA a fazer uma nova classificação, sem ter em conta as avaliações de Paulo Costa. A nova lista mantinha Jorge Ferreira em posição de despromoção e o profissional de arbitragem decidiu recorrer desta segunda avaliação. 

O Conselho de Justiça (CJ) da FPF deu provimento ao recurso do árbitro, anulando a sua exclusão do quadro de juízes da segunda categoria. Contudo, Jorge Ferreira não voltou a ser integrado na segunda categoria, entrando com nova acção contra o CA. O CJ considerou terem existido ilegalidades na despromoção do juiz à categoria C3.

Sugerir correcção