Raspadinha está a provocar aumento de casos de jogo patológico

Psiquiatras alertam para potencial adictivo da Raspadinha e reivindicam mecanismos de controlo para restringir acesso dos jogadores que desenvolvem a doença do jogo compulsivo. Cada português gasta em média por ano 160 euros naquela lotaria instantânea.

EuroMilhões
Foto
Portugueses gastaram 8,5 milhões de euros por dia em "raspadinhas", em 2018 Sebastião Almeida (arquivo)

Há cada vez mais pessoas a chegarem aos consultórios médicos com a doença do jogo patológico desencadeada pela Raspadinha. Perante esta realidade, o psiquiatra Pedro Morgado, por cuja consulta, no Hospital de Braga, passam muitos destes doentes escreveu um artigo, publicado esta sexta-feira na revista The Lancet Psychiatry, a alertar para os perigos desta lotaria instantânea e para o seu “potencial para incentivar o jogo excessivo”, nomeadamente por ser “um jogo de retorno imediato, barato e altamente acessível”. Além disso, “não requer conhecimentos específicos”.