Portugal tem mais de meio milhão de imigrantes

Número foi anunciado como recorde pelo ministro da Administração Interna no Parlamento.

,Ted Bundy
Foto
Aumentaram os pedidos de autorização de residência ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Miguel Manso

Portugal tem hoje 580 mil imigrantes. O número foi anunciado esta quarta-feira de manhã pelo ministro da Administração Interna, durante a audição parlamentar sobre o Orçamento do Estado para 2020. “Os dados preliminares levam a dizer que em 2019, pela primeira vez na nossa história, é ultrapassada a barreira do meio milhão de cidadãos estrangeiros a residir em Portugal”, disse Eduardo Cabrita.

No total, serão já 580 mil os residentes não portugueses a viver em Portugal, quando no final de 2018 o número se ficava pelos 490 mil. De 2017 para 2018 já se tinha registado um aumento aumento considerável registado no Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo (RIFA) do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) - em 2017, o número de imigrantes era 421.711).

Eduardo Cabrita anunciou também que as autorizações de residência atribuídas pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras cresceram de 35 mil em 2015 para 135 mil em 2019. E aproveitou para defender que Portugal tem “uma política de atracção de quadros qualificados e trabalhadores” porque precisa de imigrantes.

Em matéria de vistos gold, o ministro da Administração Interna especificou que 80% destas autorizações de residência foram referem-se aos concelhos de Lisboa, Cascais, Oeiras e Sintra, por ser aí que se concentra o investimento imobiliário - o acumulado, desde 2012, aponta para os 9349 vistos​ . Esta é, de acordo com o governante, uma das razões que justifica que o Orçamento do Estado contenha uma regra para rever o mecanismo dos vistos dourados, desviando-o “do imobiliário”.

Não contente com a mudança proposta pelo executivo no OE (no sentido de desviar a atribuição preferencial de vistos gold para os territórios de baixa densidade) o Bloco de Esquerda entregou esta semana um projecto de lei para acabar com este incentivo, tal como já fez no passado. Desde que entrou em vigor, em 2012, este instrumento conduziu ao “adensamento da criminalidade económica” e um aumento dos preços no imobiliário para valores que “não correspondem aos valores de mercado”, o que teve efeitos no direito à habitação, defendem os bloquistas.

Sugerir correcção