Mergulhadores da Marinha inactivam 26 engenhos explosivos da II Guerra Mundial

A equipa detectou um antigo campo de minas, a norte da ilha alemã de Fehmarn.

Fotogaleria
Militares da Marinha em acção na Alemanha Marinha Portuguesa
militares da Marinha em acção na Alemanha
Fotogaleria
Militares da Marinha em acção na Alemanha Marinha Portuguesa
Fotogaleria
Militares da Marinha em acção na Alemanha Marinha Portuguesa
Fotogaleria
Militares da Marinha em acção na Alemanha Marinha Portuguesa
Fotogaleria
Militares da Marinha em acção na Alemanha Marinha Portuguesa

Uma equipa de Mergulhadores Sapadores da Marinha Portuguesa, integrada na Força da Standing Nato Mine Countermeasures Group 1 (SNMCMG1), inactivou 26 engenhos explosivos da II Guerra Mundial. Os mergulhadores participaram na operação, que decorreu entre 26 e 31 de Agosto, com o objectivo de detectar, identificar e inactivar engenhos explosivos do passado que ainda se encontram no fundo dos mares.

“A força da SNMCMG1, durante a operação, detectou aquilo que tinha sido um antigo campo de minas, a norte da ilha alemã de Fehmarn. Estes campos de minas, criados durante os antigos conflitos, tinham como objectivo bloquear a navegação em locais estratégicos”, diz um comunicado da Marinha divulgado esta segunda-feira.

O navio caça-minas Alemão FGS Weilheim, através do seu drone, e os mergulhadores portugueses detectaram, identificaram e inactivaram 26 minas de fundo de origem inglesa, da Segunda Guerra Mundial.

Durante os seis dias de operação, os Mergulhadores da Marinha Portuguesa totalizaram 43 operações de mergulho, das quais 36 foram operações de identificação e 7 operações de inactivação.

Os Mergulhadores da Marinha vão continuar embarcados até ao próximo dia 29 de Setembro no caça-minas Alemão, “integrando a capacidade de Guerra de Minas da NATO a operar no Norte da Europa, em tempo de paz e períodos de conflito, contribuindo para a segurança da navegação e de todas as pessoas que utilizam o mar”, acrescenta o comunicado.