Mais de 50 crianças adoptadas foram devolvidas nos últimos três anos

Segundo o Diário de Notícias, em 2018 foram devolvidas 14 crianças. Oito dos casos terão ocorrido na fase de pré-adopção, seis meses antes da tomada de decisão do tribunal.

Hospital do Litoral Alentejano
Foto
Os dados são relativos aos últimos três anos Paulo Pimenta

Nos últimos três anos, 53 crianças que estavam em processo de adopção foram devolvidas às instituições que os acolhiam, noticia o Diário de Notícias (DN) esta terça-feira. Segundo os relatórios do Conselho Nacional de Adopção e CASA, em 2016, foram interrompidas 19 adopções. Em 2017, foram 20 as crianças que regressaram às instituições que cuidavam delas (11 raparigas e nove rapazes, sendo que dez eram irmãos). Em relação a 2018, os dados ainda não foram revelados, mas o DN avança que foram devolvidas 14 crianças.

Em 2018, seis das interrupções foram feitas durante o período de transição – que pode ir de 15 dias a um mês após a criança e a família entrarem em contacto. Oito dos casos ocorreram na fase de pré-adopção, seis meses antes da tomada de decisão do tribunal.

Nalguns casos, as crianças chegam mesmo a viver durante vários anos com as famílias antes de serem devolvidas. “São devolvidas quando começam a crescer e a dar problemas comportamentais, próprios da idade de quem está na adolescência”, explicou ao DN a psicóloga Rute Agulhas.

Para a psicóloga, a avaliação dos candidatos à adopção é muito importante. O acompanhamento durante o período de transição e pós-adopção é igualmente importante. Algumas famílias dizem sentir-se sozinhas e sem saber como reagir a determinadas situações. “Se tivesse mais apoio talvez o conseguissem fazer e da forma mais adequada”.

Sugerir correcção