Padre e falsas freiras acusados de nove crimes de escravidão

Caso revelado em 2015 envolve uma associação de fiéis que muitos julgavam ser uma congregação religiosa. Agressões, insultos e privação de cuidados médicos são algumas das situações descritas na acusação.

Foto
A propriedade é conhecida como convento, embora não o seja Ricardo Castelo/NFactos

Ao longo de 30 anos, o padre Joaquim Milheiro e três mulheres que com ele geriam a Fraternidade Missionária de Cristo Jovem, em Requião, Vila Nova de Famalicão, foram responsáveis pela agressão, humilhação e subjugação total à sua vontade de jovens mulheres que ali eram acolhidas. Uma delas acabaria por se suicidar, segundo o Ministério Público (MP), em consequência do “estado depressivo profundo” a que chegou, fruto “da conduta dos arguidos”. Os quatro e a fraternidade, que está constituída como Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), foram agora acusados de nove crimes de escravidão, depois deste caso ter sido tornado público em 2015

Sugerir correcção
Ler 12 comentários