Tomas Jasovsky/Unsplash
Foto
Tomas Jasovsky/Unsplash

Megafone

Sou menos mulher por não querer ter filhos?

Se na adolescência, não querer ter filhos era considerada uma opinião de miúda insolente e, alegadamente, revolucionária, aos 38 anos é vista como uma decisão egoísta, inaceitável e, até, em alguns casos, libertina

O título é um “espanta-homens” casadoiros, mas uma mulher (ou qualquer outro ser humano) não deve nunca abandonar as suas convicções por causa de outros. O que é nosso é visceral, intrínseco e, diria mesmo, genético. E esta é a minha convicção desde que me conheço por gente. 

Se na adolescência era considerada uma opinião de miúda insolente e, alegadamente, revolucionária, aos 38 anos é vista como uma decisão egoísta, inaceitável e, até, em alguns casos, libertina. Lamento, pois, desapontar muitos dos meus jurados circunstanciais (que devem existir nas vidas de outras tantas mulheres com a mesma convicção), mas nenhum destes argumentos encaixa no meu perfil.

Amo de paixão os meus três sobrinhos. Sapientemente, o povo lá diz que parir é dor e criar é amor. A minha função na vida deles está definida. Sou uma espécie de “segunda mãe” que brinca, aconselha, mas que, simultaneamente, impõe regras e exige respeito. Muito respeito. Amo os filhos das minhas amigas. São poucas — as amigas, não os filhos — porque, perto da ternura dos 40, a triagem social é maior do que numa urgência hospitalar (também não é difícil). Tenho jeito para crianças (diz-me a minha mãe desde pequena). É uma espécie de empatia patológica por me colocar literalmente ao nível delas (ou o reflexo de uma síndrome de Peter Pan). Mas, e porque para tudo na vida há um mas, admito, sem qualquer remorso, amar de paixão também o momento em que todos vão para casa e o meu mundo volta a ser só meu: com os meus livros, séries, viagens e um bom copo de vinho.

Os velhos do Restelo já estarão, por esta altura, a argumentar que estou assim porque encalhei algures num porto sem marinheiros. Errado. Bons potenciais pais, felizmente, não faltam e ainda bem. Porque alguém tem de contribuir para a natalidade e assegurar que a morte da Segurança Social é apenas um mito financeiro.

Outros pensarão que sou egoísta porque invisto apenas na carreira. Ponto número um: depois de quase 14 anos de um emprego estável, experimentei as longas e desesperantes filas do centro de emprego, em plena crise financeira, como outros tantos milhares de portugueses. Noutros olhos teria sido a altura ideal para a procriação. Tempo, parceiro e dedicação não me faltaram. Infelizmente. Ponto número dois: uma mulher pode ter um sucesso profissional enorme e ter 10 filhos em casa. Basta ser essa a sua convicção e vontade. A rede de suporte familiar seria, nesse caso, essencial. Rede essa que tenho, felizmente, se quisesse dispor dela. Tenho uns pais santos e maravilhosos. Mas não quero. E muito dificilmente quererei.

Egoísmo não é certamente. Há uns poucos anos, num jantar de amigas, senti-me a ave rara da mesa por ser a única que não era mãe. Deixei escapar o tal alegado egoísmo. Do outro lado, uma voz, tão materna, contestou, dizendo “o egoísmo é nosso; o amor dos filhos faz-nos bem, mas esquecemo-nos que eles não são nossos, são cidadãos do mundo”. A argumentação de uma mulher que, entretanto, repetiu, muito feliz e realizada, a experiência da maternidade. Palavras que raramente ouço. É mais fácil apontarem o dedo a mulheres que não querem ser mães por escolha do que compreendê-las e, sobretudo, respeitá-las. Já para não falar dos comentários menos felizes para com mulheres que têm o relógio biológico aos berros, mas que foram presenteadas pela natureza com infertilidade. Quando virem uma mulher da minha idade sem filhos não lhe façam perguntas. Apenas a respeitem. Porque tudo isto não é mais do que uma questão de respeito pelo próximo e pelas suas convicções, sejam elas quais forem.

Março é um mês feminista. O calendário deveria ser feminista e, simultaneamente, masculino (e não machista, que não gosto de pseudo-antónimos). Sou pelas pessoas, pelos seus desejos, vontades e convicções. Sejam elas mulheres ou homens. Mas enquanto existir uma mulher a ser vítima de violência (física e psicológica), a ser menosprezada profissionalmente apenas por uma questão de género ou a ouvir comentários machistas, continuarei a vestir o fato da feminista neste Carnaval da vida. Sem Quaresma nem ressurreição pascal, estas mulheres, nós mulheres, continuaremos a precisar de lutar, de nunca calar.