Cinema

Stanley Kubrick deixou-nos um Segredo Ardente

Guião perdido do realizador norte-americano está suficientemente desenvolvido para ser transformado num filme.
Foto
DR

Um guião perdido de Stanley Kubrick, adaptando um romance de Stefan Zweig, foi encontrado por um professor britânico, Nathan Abrams, que prepara um livro sobre o último filme feito pelo realizador norte-americano. Segundo os relatos do jornal britânico The  Guardian, que noticiou a descoberta este domingo, há no documento de 100 páginas material suficiente para avançar para a produção de um filme escrito por um dos mais importantes cineastas norte-americanos da segunda metade do século XX, autor de filmes como 2001, Odisseia no Espaço (1968) ou Laranja Mecânica (1971), e desaparecido em 1999.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Intitulado Burning  Secret (Segredo Ardente), tal como a obra de Zweig publicada em 1911, o guião foi encontrado por Nathan Abrams, professor da Universidade de Bangor (País de Gales) e especialista em cinema, que prepara uma obra sobre De Olhos Bem Fechados, filme estreado no ano da morte de Kubrick, com Tom Cruise e Nicole Kidman nos papéis principais. “Nem queria acreditar. É tão excitante. Pensou-se que estava perdido”, disse o professor de cinema ao jornal inglês. Com uma carreira de 46 anos, Stanley Kubrick realizou apenas 13 longas-metragens, sendo conhecido por fazer pesquisas enciclopédicas e por ter deixado vários projectos inacabados, um deles sobre a vida de Napoleão.

Kubrick escreveu o guião agora encontrado em 1956, juntamente com a escritora Calder Willingham, uma colaboração que continuaria no ano seguinte num dos filmes de guerra do realizador, Horizontes de Glória, que passou à tela com Kirk Douglas.

O romance do escritor austríaco (1881-1942) conta a história de um jovem aristocrata de férias numa estância de montanha, já em fim de época, que para afastar o aborrecimento tenta seduzir uma mulher casada. Usa o seu filho, um rapaz de 12 anos, para chegar à mãe, estabelecendo-se um triângulo de ciúmes através dos olhos da criança. O romance foi transformado num filme em 1988, por Andrew Birkin, um antigo assistente de Kubrick, com Faye Dunaway, Klaus Maria Brandauer e David Eberts como actores.

“Os fãs de Kubrick sabiam que ele queria fazer o filme, mas ninguém pensou que estivesse completo. Agora temos uma cópia que prova que ele fez um guião completo.” Segundo o Guardian, o guião tem o carimbo da MGM e na interpretação de Nathan Abrams o conteúdo, com uma criança a facilitar a relação entre a mãe e o amante, pode ter sido considerado demasiado ousado para a época. O especialista galês vê este guião com uma espécie de espelho invertido de Lolita, a adaptação que Kubrick fez do romance de Vladimir Nabokov em 1962, uma vez que aqui o sedutor casa com a mãe para chegar à filha. Em 1933, Joseph Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler, proibiu uma adaptação cinematográfica desta história (Stefan Zweig era de origem judia, tal como a protagonista do romance, e o próprio Kubrick).

Já depois da morte do autor de Barry Lyndon, Steven Spielberg pegou num projecto nunca realizado do seu amigo e passou-o ao ecrã, tendo estreado A.I. - Inteligência Artificial em 2001. Spielberg também já anunciou, há cinco anos, que quer retomar o projecto de Napoleão, desta vez para a televisão. Resta saber quem é que vai avançar para Burning Secret.