Arquitectura

É uma micro-casa, mas tem tudo — e o ADN é português

Christiane Wirth
Fotogaleria
Christiane Wirth

O terreno que surge na primeira fotografia foi pensado para receber uma exposição de 15 casas, em Almere, Holanda. Todas elas com uma (pequena) particularidade: não exceder os 50 metros quadrados. É exactamente esta área que tem a micro-casa mais alta, em formato de paralelepípedo, projectada por Ana Rocha, uma arquitecta portuguesa a viver na Holanda desde os anos 90.

 

A Micro House Slim Fit foi um dos projectos vencedores do concurso promovido, em 2016, pela cidade que quer ser “um laboratório de arquitectura”. O prémio dava “direito a comprar um lote do terreno”. Ana Rocha precisava de uma base quadrangular de quatro metros de lado, “o equivalente a dois lugares de estacionamento”. “Que custava 40 mil euros”, ri-se, ao telefone. A arquitecta decidiu pegar no projecto e pô-lo à venda numa imobiliária. “Vendi-o em quatro dias a um estúdio jovem de design, aqui da cidade, que o pode usar para hospedar convidados”, conta ao P3.

 

Um dos objectivos era tornar a casa “o mais económica possível”, não só para equilibrar os “preços elevados dos terrenos no centro da cidade”, mas também devido ao tamanho limitado da habitação. Para isso, quis contrariar o conceito associado à tiny house, onde, normalmente, “quase tudo tem de ser feito à medida”, principalmente a cozinha e a casa-de-banho. Aqui isso não acontece, e até as escadas são do tamanho standard. Com tudo incluído, a casa “deverá custar 150 mil euros”.

 

Em Janeiro de 2018, a micro-habitação unipessoal em madeira, de três andares, ficou pronta, lado a lado com outros projectos vencedores. A cozinha compacta, mas completa e em tamanho real, ocupa o rés-do-chão, juntamente com uma área para refeições. Subindo as escadas, entramos numa área livre e, no último piso, está o quarto, com uma cama, um guarda-roupa e uma casa de banho.

 

“Está pensada para um adulto de 30 e poucos anos, sem filhos, que queira viver nos centros urbanos, confortavelmente e de forma sustentável", conta. A habitação tanto pode “preencher espaços entre edifícios”, como pode existir autonomamente, ou conectada, explica a arquitecta, que estudou na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto antes de acabar o curso já na Holanda.

 

Se funcionaria em Portugal? Com algumas adaptações, talvez, e se calhar “até sairia mais barato”. Mas em Portugal, diz, as pessoas procuram "casas completas": "Não há a mentalidade de viver de forma virtual”, remata.

Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth
Christiane Wirth