Foto

Megafone

Porque é que o teu animal precisa de um “check-up” regular?

Se nunca te passaria pela cabeça deixar o teu animal de companhia sem acesso a água e comida, possivelmente o mesmo não acontece com os cuidados veterinários preventivos

Thierry Correia, Departamento Comunicação Científica da Royal Canin Portugal

O novo estatuto jurídico, em vigor desde 1 de Maio de 2017, reconhece que os animais são seres dotados de sensibilidade, e não "coisas", e adapta a protecção legal à sua natureza.

Os seus tutores estão legalmente obrigados a assegurar o respeito por cada espécie e pelo seu bem-estar. As suas obrigações incluem garantir o acesso a água, comida, vacinas, cuidados veterinários e formas de identificação. Sendo que, se as regras forem desrespeitadas, os tutores podem ser punidos.

E se nunca te passaria pela cabeça deixar o teu animal de companhia sem acesso a água e comida, possivelmente o mesmo não acontece com os cuidados veterinários preventivos. Não, não basta levar o teu animal de estimação ao veterinário quando está doente: fazer check-ups regulares – pelo menos uma vez por ano – é essencial para garantir a sua saúde.

Os check-ups não só são um método de prevenção de inúmeras doenças, como evitam gastos consideráveis para os tutores dos animais de companhia. Através deles, consegue-se detectar os primeiros sinais de potenciais problemas de saúde que, muitas vezes, são difíceis de gerir quando já estão estabelecidos no animal. São, por isso, a melhor forma de evitar surpresas indesejadas para o tutor e promover a saúde do animal.

O check-up anual é importante em qualquer idade, mas quando o animal é sénior deve ser levado ainda mais a sério, pois é essencial para detectar qualquer patologia antes que esta se instale e ponha em causa a saúde do animal. O check-up em idade sénior é essencial para perceber se os rins e o sistema urinário estão a funcionar correctamente, se não há problemas noutros órgãos (coração, fígado, etc), ou se os ossos estão saudáveis, todas situações que se tornam mais comuns com o avançar da idade.

E se achas que estas dicas são só para tutores de cães e gatos com acesso à rua, estás enganado. Mesmo que o teu gato nunca tenha acesso ao exterior, ele também precisa de vacinas e de fazer exames de rotina.

Os inquéritos da American Veterinary Medical Association (AVMA, em português a Associação Americana de Medicina Veterinária) mostram que aproximadamente um em cada dez tutores de gatos nunca leva o seu animal de estimação ao médico veterinário. E que 27% dos tutores só o faz quando acha que o seu gato poderá estar doente. A AVMA afirma que isto equivale a 20 milhões de gatos que só são levados ao veterinário quando estão doentes.

Em Portugal, 68% das famílias leva os seus gatos ao veterinário uma vez por ano, sendo que este é o mínimo recomendado.

Lembra-te que, ao contrário de ti, o teu animal de estimação não tem capacidade de decidir ir fazer um exame de rotina, por isso és tu quem tem a responsabilidade de o levar.