Fotografia

Este orfanato é um refúgio para elefantes abandonados

Fotogaleria

Pinnawala, uma aldeia no Sri Lanka, é uma espécie de refúgio para os elefantes asiáticos. Nos primeiros anos de vida, Vijaya, Neela, Kadira, Mathlee e Kumari perderam a progenitora e não poderiam sobreviver sozinhos, durante muito tempo, no meio da selva. Numa situação normal, estes pequenos paquidermes seriam reintegrados numa manada, mas, neste caso, um centro de acolhimento garantiu o seu crescimento. Inaugurado em 1975, o Orfanato de Elefantes de Pinnawala foi criado com o objectivo de acolher e cuidar de elefantes que foram abandonados ou perderam as suas mães, vítimas de doenças ou acidentes. Os mais de 70 animais, de três gerações, que vivem actualmente neste centro foram salvos de problemas e, alguns deles, resgatados de situações que poderiam colocar em risco a sua sobrevivência. A maioria destes elefantes nasceram no próprio orfanato e todos, sem excepção, estão habituados à rotina de passeios e banhos diários. Os cuidadores, conhecidos por mahouts, reúnem a manada, duas vezes por dia — às 10 horas e às 16 horas –, nas águas do rio Maha Oya, em Rambukana. Os tratadores mantêm os animais presos em argolas para que permaneçam quietos e possam ser limpos. Durante as duas horas seguintes, os elefantes permanecem dentro de água, onde podem caminhar, brincar e encontrar alimento. Depois, regressam ao orfanato acompanhados pelos mahouts. Os animais mais novos e os mais fracos exigem mais cuidados, especialmente quando se trata da sua dieta. As crias são diariamente alimentadas, pelas mãos dos tratadores, com leite preparado em biberões. O projecto, desenvolvido pelo Departamento de Conservação da Vida Selvagem do Sri Lanka, tornou-se uma das grandes atracções turísticas de Pinnawala. Os visitantes podem dar o biberão aos elefantes com menos de três anos e passear pelo recinto, que tenta reproduzir o habitat natural destes animais. Os banhos são, quase sempre, os momentos mais aguardados pelos turistas que passam por esta reserva de elefantes. Andreia Cunha