Segunda geração de emigrantes com curso superior tem taxa de emprego de 96%

Emigrantes portugueses de segunda geração têm taxa de emprego superior à dos países de acolhimento, revela Instituto Nacional de Estatística.

França é o principal país de acolhimento dos portugueses.
Foto
França é o principal país de acolhimento dos portugueses. daniel rocha

Os emigrantes de segunda geração têm uma taxa de emprego superior não apenas à de Portugal como à dos países de acolhimento, revela um trabalho divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística.

Com base em dados de 2014, o perfil dos emigrantes portugueses no mercado de trabalho europeu deixa de fora alguns países que são destino de quem vai à procura de vida melhor, como a Alemanha, mas em contrapartida inclui outros que não pertencem à UE, como a Suíça. O estudo estabelece uma correlação entre a escolarização destes emigrantes mais novos e a sua empregabilidade: “O aumento da taxa de emprego com o nível de escolaridade é particularmente evidente para os emigrantes de segunda geração: a taxa de emprego era de 79,8% para aqueles que tinham, no máximo, o 3.º ciclo do ensino básico; de 83,0% para os que tinham ensino secundário ou pós-secundário; e de 96,6% para os que tinham ensino superior”. E embora os emigrantes de primeira geração se encontrassem genericamente, em 2014, numa situação melhor do que aqueles que tinham ficado em Portugal – a taxa de emprego da população entre os 25 e os 54 anos era de 82%, mais quase cinco pontos percentuais do que a registada em território nacional na altura –, nos seus descendentes detentores de cursos superiores a integração no mercado de trabalho era quase plena: 96,6%.

Os emigrantes de segunda geração “não só apresentavam taxas de emprego superiores às observadas em Portugal e aos países de acolhimento, como exerciam profissões que requerem maiores qualificações (e geralmente mais bem remuneradas) do que na Europa”, descreve o Instituto Nacional de Estatística. “Os emigrantes de segunda geração com ensino superior revelam melhor desempenho do que os residentes em Portugal e na Europa, superior em mais de dez pontos percentuais em ambos os casos”, assinala o estudo.

Uma taxa que desce quando falamos do universo feminino, embora a diferença entre a empregabilidade de homens e mulheres emigrantes seja menor entre os mais novos. Por cada 100 emigrantes femininas de primeira geração havia 77,5 com ocupação laboral, contra 86,4 no caso dos homens.

“Mais de dois quintos (44%) dos emigrantes empregados de segunda geração enquadravam-se no grupo profissional mais qualificado, valor superior aos 37,9% de Portugal e aos 41,4% a nível europeu, sendo quase o dobro do observado para emigrantes de primeira geração”, refere ainda o mesmo estudo.

Ainda assim, um quarto das pessoas interrogadas neste estudo considerava ter qualificações excessivas face às exigências do posto de trabalho que ocupava, proporção que subia ligeiramente entre as mulheres e nos emigrantes de primeira geração.

Estima-se que em 2014 residissem nos países que participaram neste inquérito 1,7 milhões de emigrantes portugueses, 907 mil dos quais de primeira geração e 812 mil descendentes de emigrantes. Mais de um terço tinha entre 25 e 39 anos, sendo a França (62,6%), a Suíça e a Espanha os principais países de acolhimento.