Há um gigante no Tejo. Pode pesar 100 quilos e ter mais de dois metros

O siluro, que pode dizimar outras espécies, foi detectado pela primeira vez no rio Tejo em 2014. Os Investigadores do Mare — Centro de Ciência do Mar e Ambiente da Universidade de Lisboa já capturaram 12.

Fotogaleria
Um dos Siluros capturados Rui Gaudêncio
Fotogaleria
O peixe come tudo o que a sua enorme boca consegyue apanhar Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Um dos maiores peixes apnhados pelos investigadores Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Investigação biológica ao Siluro Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Outras espécies exóticas apanhadas no Tejo Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Outras espécies exóticas apanhadas no Tejo Rui Gaudêncio
Fotogaleria
O Lúcio é uma das espécies não naturais nos rios portugueses Rui Gaudêncio

Se por estes dias vir, junto ao Tejo, um peixe com uma boca enorme, com, pelo menos, mais de um metro e meio de comprimento e com 50 ou mais quilos de peso a galgar a margem e engolir um pombo ou um pato saiba que acabou de ver um siluro a caçar. Este peixe, vulgarmente conhecido como peixe-gato europeu, é uma das 57 espécies exóticas a viverem no Tejo e uma das mais recentes a ser detectada. Pode vir a revelar-se uma ameaça para as espécies naturais do rio.

Na última semana, investigadores do Mare - Centro de Ciência do Mar e Ambiente da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que estudam as espécies não naturais nos rios portugueses, principalmente no Tejo, capturaram 12 Siluros nas regiões de Abrantes, Vila Franca e Castelo Branco. O maior tem 1,7 metros de comprimento e pesa 31 quilos.

O Siluro (Silurus glanis) é uma espécie originária da Europa Central e pode atingir mais de 2,5 metros de comprimento e mais de 100 quilos de peso. Foi detectado pela primeira vez na Península Ibérica no Rio Ebro, em Espanha, em 1974. Na parte espanhola do Tejo a primeira identificação data de 1998 e na parte portuguesa apenas foi observado em 2014, embora se julgue que tenha chegado em 2006.

Peixe com 58 quilos em Santarém

O maior siluro apanhado em Portugal foi capturado em Santarém por um pescador há cerca de um mês. Media dois metros e pesava 58 quilos. Já o maior espécime apanhado na Europa foi encontrado em 2015, no rio Ródano, em França: tinha 2,73 metros e pesava 130 quilos.

A espécie é classificada como oportunista e necrófaga, por se alimentar de outros peixes mortos no fundo dos rios, embora coma outros peixes e até aves ou outros animais que estejam junto às margens. “Basicamente come tudo o que lhe caiba na sua enorme boca”, explicou ao PÚBLICO Filipe Ribeiro, um dos investigadores do Mare que coordena parte da investigação às espécies não naturais dos rios portugueses.

O trabalho da equipa visa detectar as rotas de invasão das espécies exóticas, elaborar um mapa de risco tendo em conta a pressão da pesca desportiva, monitorizar o movimento dos peixes e detectar alguma forma de controlar a sua expansão. Os investigadores também divulgam junto de pescadores e da população em geral os perigos ambientais que algumas espécies não naturais de Portugal podem representar.

No que respeita ao siluro, o principal perigo é poder dizimar as espécies naturais do Tejo, como enguias, lampreias e sáveis, entre outras, pelo facto de praticamente “comer tudo o que mexe” e também por poder transmitir doenças “às quais as restantes espécies autóctones não sejam imunes”, como explicou Filipe Ribeiro.

Os perigos ambientais que esta espécie representa, levaram a que o Tribunal Supremo espanhol tenha decidido em Julho do ano passado que todos os siluros capturados não serão devolvidos aos rios.

Carne mole mas comestível

Uma das perguntas mais frequentes sobre este peixe é se a sua carne é comestível. Sim, é comestível, embora a sua carne seja bastante mole. Nos países da Europa Central, situados longe do mar, o seu consumo é mesmo muito frequente. Nos pratos portugueses ainda são pouco presentes, até porque o seu aspecto causa alguma repulsa. Mas já é por cá, porém, um troféu de pesca desportiva muito procurado, tal como acontece em muitos outros países.

Nos ecossistemas aquáticos da bacia hidrográfica do Tejo estão identificadas 57 espécies exóticas. As plantas, algas e peixes, com 16 espécies cada, são as mais numerosas.

No mês passado realizou-se o primeiro o 1.º Encontro Sobre Espécies Exóticas Aquáticas no Tejo, que envolveu diversos investigadores. Pretendeu alertar o público em geral para esta problemática e dar mais um passo para o avanço na gestão e priorização do controlo das espécies exóticas nos ecossistemas aquáticos.

Há muito tempo que investigadores do Mare e de outros institutos colaboram para monitorizar estas espécies de modo a avaliar os efeitos na biodiversidade e o impacto económico (negativo ou positivo) destas espécies.

Não deite o seu peixinho ao rio

As águas de lastro que os navios despejam, a incrustação em cascos de barcos e a pesca desportiva são, segundos os investigadores, as principais causas para a chegada aos nossos rios de espécies não naturais.

O siluro, por exemplo, terá chegado à Península Ibérica na sequência de uma introdução propositada desta espécie por pescadores alemães que a queriam pescar no Tejo.

Há ainda outra razão para a chegada de espécies exóticas: a aquariofilia. Por isso, se não quer ter mais um aquário em casa, se entende que os peixes devem viver livres nos rios e mares ou se simplesmente se fartou dos seus peixes há uma regra muito importante: não os lance aos rios, pode estar a introduzir mais uma espécie exótica. Os investigadores detectaram a existência de 259 peixes não indígenas à venda em lojas especializadas em aquariofilia só na zona de Lisboa.

Actualmente, a taxa de detecção de espécies exóticas aquáticas no rio Tejo é de cerca de duas novas espécies por ano.