Reuters/China Photos ASW/CP
Foto
Reuters/China Photos ASW/CP

Na China há um lar para cuidar dos pandas mais velhos

"Tratar de um panda idoso é como tratar de uma pessoa idosa", diz um tratador

A China tem um santuário especial para lidar com os problemas geriátricos dos pandas em cativeiro, que vivem cada vez mais tempo e sofrem de doenças de visão, digestivas e até emocionais.

"Todos os dias precisamos de interagir de perto com eles e controlar o seu estado mental", afirmou o tratador Xu Yalin, que trabalha com pandas há 19 anos e considera que "tratar de um panda idoso é como tratar de uma pessoa idosa".

Em declarações à Associated Press, o mesmo indicou que trata de três dos 30 pandas com mais de 20 anos que vivem na base de Dujiangyan do Centro de Investigação e Conservação do Panda Gigante, na província de Sichuan, no sudoeste.

Os problemas de saúde que os afectam vão da perda de visão aos dentes estragados, e a sua rotina diária resume-se a comer e dormir.

Os tratadores precisam de adaptar a dieta às necessidades e dificuldades de cada animal, que pode passar por escolher as folhas de bambu mais tenras ou preparar papas de milho. Uma das fêmeas de que Xu trata tem 24 anos e todas as manhãs recebe uma visita do tratador para ver se dormiu bem. Come cenouras e maçãs para começar o dia e faz alguns exercícios que permitem ao tratador ver como está a sua vista e os seus dentes. O mais velho dos pandas vivo, Basi, já fez 37 anos e vive na província de Fujian. 

Sugerir correcção