A irreverência de Violeta e a reverência da Time

Violeta Santos Moura
Fotogaleria
Violeta Santos Moura

A fotógrafa transmontana Violeta Santos Moura foi distinguida pela revista Time como uma das 34 vozes femininas mais relevantes do fotojornalismomundial. O P3 pediu-lhe que fizesse uma retrospectiva fotográfica da sua carreira e este é o resultado.

"Unwelcome", 2016. Este é o seu último trabalho e retrata o quotidiano de um grupo de refugiados oriundos da Eritreia a residir em Telavive, Israel. "Estes são homens que tentam escapar um serviço militar obrigatório que os força à escravatura", explica no website. O seu destino original era a Líbia, mas a guerra que se instalou em 2011 e se manteve nos seguintes anos forçou os migrantes a um redireccionamento; entre os novos destinos, Israel. Actualmente, existe um estigma associado aos requerentes de asilo africanos no país. Não são reconhecidos oficialmente como refugiados e correm risco de detenção e deportação "voluntária".

Breaking Their Silence, 2011-2013. O trabalho que desenvolveu durante dois anos, em Telavive, enfoca num grupo de soldados israelitas que cumpriu serviço militar em território palestiniano (na Cisjordânia e Faixa de Gaza) intitulado "Breaking the Silence" que afirma que, ao contrário do que é veiculado pelo governo israelita, a presença militar em território palestiniano não advém de uma necessidade de segurança da população israelita, mas sim de uma posição de agressão e controlo da população palestiniana, acção que consideram "moralmente errada". O projecto incide um foco de luz também sobre a censura operada sobre os meios de comunicação social do país, cuja visão condiz com a do partido de direita que governa.

Austeridade, 2012-2013. O projecto tem enfoque na crise económica que se abateu sobre Portugal nos últimos anos. 26% marcava a taxa de desemprego, aumentos exponenciais de importos, baixas abruptas de salários, carências sociais profundas marcavam o dia-a-dia dos portugueses durante este período. Sobre o projecto, Violeta diz ter sido um dos mais dolorosos que realizou. Não documentou a crise com o intuito de vender o projecto, mas sim com o de transpirar as toxinas de quem é directamente afectado por ela.

O restante trabalho de Violeta pode ser visto no seu website. A entrevista completa com a fotógrafa pode ser lida aqui.

Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura
Violeta Santos Moura