A arte cinética de Felipe Pantone em Lisboa

O artista argentino, conhecido internacionalmente pelas intervenções urbanas com formas geométricas muito elaboradas, inaugura esta sexta-feira a sua primeira exposição individual em Portugal, na galeria Underdogs.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Tem por título Artifact to Human Communication, tem inauguração esta sexta-feira na galeria Underdogs, em Lisboa, e trata-se da primeira exposição individual em Portugal do conhecido artista argentino, que cresceu em Espanha, Felipe Pantone.

Conhecido pela utilização de cores fortes, pelos padrões geométricos e pelas alusões à arte pop, o artista tem-se destacado desde 2006, quer no campo da arte urbana, com criações de rua, quer nos espaços expositivos convencionais. O seu trabalho funde elementos arrojados do design gráfico com formas geométricas muito elaboradas, criando dessa forma uma estética hipermoderna que complementa ou reage à modernidade crua das paisagens urbanas.

No caso concreto da exposição na Underdogs, o artista irá apresentar uma reflexão sobre a natureza da obra de arte e da comunicação nesta era de informação excessiva. Na sua visão, aquilo que diferencia a obra de arte de um objecto utilitário é que “a obra fala, diz coisas". "Um sapato permanece bom enquanto cumpre a sua função e quando não me fala. Quando me começa a doer, deixa de ser utilitário”, reflecte.

PÚBLICO -
Foto

Uma obra de arte não deve ser um mero objecto de contemplação, mas sim de interacção, acredita Pantone, no sentido da procura de informação que estimule o pensamento criativo. Para ele o excesso de informação “só é prejudicial quando o sujeito se dedica exclusivamente a receber”. Ou seja, são necessários espectadores activos, dispostos a fazer perguntas e capazes de discernir entre aquilo que é valioso e aquilo que é inconsequente no mar de sobreinformação em que vivemos.

Como tem acontecido com outros artistas que têm exposto ao longo dos últimos anos na Underdogs – uma plataforma cultural que visa criar espaço na cena da arte contemporânea para artistas ligados às novas linguagens da cultura gráfica e visual de inspiração urbana –, está também previsto que Felipe Pantone venha a criar um mural na cidade de Lisboa.