Ciganos: programa de mediação cultural revela um "sinal de mudança"

Sete municípios portugueses participam num programa promovido pelo Conselho da Europa e pela União Europeia.

Comissário Europeu conversou com membros da comunidade em Torres Vedras
Foto
Comissário Europeu conversou com membros da comunidade em Torres Vedras Nuno Ferreira Santos

São sete os municípios portugueses que participam no programa de mediação cultural promovido pelo Conselho da Europa e pela União Europeia. O comissário europeu dos Direitos Humanos, Nils Muiznieks, regressa hoje a Estrasburgo, depois de uma visita de dois dias a Portugal, convencido de que o programa tem de ser alargado e de que o Governo está empenhado em fazê-lo.  

“Eu ouvi a secretaria de Estado da Cidadania e Igualdade dizer que estão empenhados em continuar o programa”, disse. Esteve reunido com Catarina Marcelino. “Fiquei muito feliz por saber isso. O Governo reconhece que isto é importante. O programa oficial acaba em Dezembro. Eles sabem disso e estão à procura de uma forma de financiamento para prolongar e expandir.”

Não foi a primeira vez que Portugal tentou formar mediadores, profissionais preparados para estabelecer pontes entre as comunidades ciganas e as instituições, para mediar conflitos, promover a tolerância. A Obra Nacional para a Pastoral dos Ciganos fez uma tentativa em 2002. Já em 2009 o Alto Comissariado para as Migrações lançou um projecto-piloto. E esta é a segunda edição do programa Romed.

Na primeira edição, dois grupos receberam formação, um em 2011/2012 e o outro em 2012/2013. No fim, havia 19 mediadores municipais, um mediador da área da saúde, três dinamizadores culturais do Programa Escolhas, um mediador da Santa Casa de Misericórdia e três mediadores escolares.

Duas organizações foram criadas

Hoje, só seis mantêm-se em actividade. Mas o primeiro Romed deixou outros frutos: duas organizações de ciganos foram criadas. Em 2013, nasceu a Letras Nómadas, que trabalha o empoderamento das comunidades. Já em 2014, nasceu a Associação de Mediadores Ciganos Portugueses.

O Conselho da Europa e o Alto Comissariado para as Migrações desafiaram a Letras Nómadas a ser a organização nacional de apoio do Romed 2. Esta fase foi além da formação de facilitadores/mediadores. Na tentativa de construir capital social, cidadania, participação, impulsionou grupos de acção local.  

Nos primeiros anos, 2014/2015, os sete municípios criaram 30 postos de trabalho para ciganos, ainda que precários e temporários. E isso teve “impacte nas suas vidas e nas vidas das suas famílias, mostrando que são de confiança e que as câmaras estavam dispostas da dar-lhes uma oportunidade”, lê-se no relatório de avaliação externa publicado no ano passado pelo Conselho da Europa.

Cada município gerou a sua própria dinâmica. Em Torres Vedras, por exemplo, o mediador fez um inquérito. Em Elvas, o grupo de acção aconselhou a autarquia sobre modos de lidar com um bairro problemático. Em Beja, o grupo reuniu material e ajudou a autarquia a preparar a reparação de telhados de casas de famílias isoladas. No Seixal, começou a desenhar-se uma estratégia local.

“Aumentaram as competências individuais"

Dizem os avaliadores que os membros dos grupos de acção local “aumentaram as competências individuais e organizacionais, tornaram-se, por exemplo, mais capazes de expor problemas e de formular soluções adequadas, tendo em conta os canais e os procedimentos municipais.” Ficaram, referem ainda, mais aptos para escrever cartas com queixas ou propostas e mais preparados para organizar reuniões e eventos. E conhecem mais pessoas e mais instituições.

Um a vez mais, há resultados que extravasam a mediação. “O Romed 2 contribuiu para criar condições que permitiram um grupo de estudantes ciganos aceder ao ensino superior”, apontam. “Em vários grupos de acção havia jovens que com o tempo expressaram interesse e motivação para prosseguir os estudos, se tivessem apoio económico. “A associação Letras Nómadas identificou diversos rapazes e raparigas e preparou o projecto Opré Chavalé, financiado pelo Programa Escolhas. Atribuíram um mentor e uma bolsa e oito jovens. O esforço foi reconhecido pelo Alto Comissariado, que atribuiu outras 25 bolsas no ano lectivo 2015-2017.

Os avaliadores concluíram que o impacte do programa “é muito simbólico e localizado”. Ainda assim, julgam que é "um sinal de mudança”.  E é esse sinal que Nils Muiznieks espera que o Governo agarre e expanda, chegando agora às zonas onde as relações são mais problemáticas do que em Torres Vedras. 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações