Opinião

Porto, processo de turistificação de uma cidade património mundial

A “turistificação” já não se limita às linhas de costa mas atinge o coração das cidades, sobretudo as mais antigas e acessíveis em sistema “low cost”. O sector do turismo e os seus infindáveis fundos de investimento estão agora apostados em entrar nas zonas históricas e na casa de cada um.

Adensa-se a sensação que as nossas cidades históricas se encontram a pontos de submergir num esfrevescente ambiente de “sempre em festa” impulsionado por exércitos de empreendedores, “indústrias criativas”, startups e departamentos camarários que, seguindo as pisadas dos outros, aplicam as mesmas fórmulas reféns que estão da linguagem de consumo mercantil onde as cidades e o seu património surgem como imagens que importa vender, marcas e produtos destituídos de conteúdo ou de espessura histórica.

Em Portugal, desde pelo menos os anos 60 do século XX que os governantes apostam forte na “utilidade turística do país” criando-se, inicialmente, uma série de instrumentos legais que potenciavam a construção de unidades hoteleiras e, um pouco mais tarde, projectos de urbanização com o mesmo fim mas que, na maior parte dos casos, se situavam em zonas balneares, continuando assim a tradição do século XIX.

Hoje a “turistificação” a que assistimos já não se limita às linhas de costa mas atinge o próprio coração das cidades, sobretudo as mais antigas e acessíveis em sistema “low cost”. O sector do turismo e os seus infindáveis fundos de investimento estão agora apostados em entrar nas zonas históricas e na casa de cada um. Os números não enganam pois são cada vez mais as pessoas a abandonar os centros históricos para que os turistas possam entrar usufruindo, assim, da intensa sensação de, por alguns dias, ser um “local” a custo reduzido. Veja-se, por exemplo, os números do Registo Nacional de Turismo para o Porto: entre Abril de 2009 e Abril de 2010 foram registados oito pedidos para alojamento local, no mesmo período, entre 2015 e 2016, foram já 849 os pedidospara o mesmo fim. Ou ainda os números que surgem na página do Airbnb relativos ao Porto, onde estão inscritos 2.170 locais de alojamento. Só em redor da Rua das Flores são 92 o número de alojamentos disponíveis. Imagine-se agora o impacto social que estes números têm na cidade, na vida daqueles que procuram casa ou que pretendem continuar a habitar estes locais mas que são quotidianamente assediados a sair.

Um dos exemplos paradigmáticos desta radical mudança é o caso da “Casa Oriental” situada junto da Torre dos Clérigos, até há bem pouco tempo um negócio rentável e de apoio à população por ser uma das poucas mercearias do bairro e um famoso local de venda de bacalhau. Hoje a Casa Oriental é uma espécie de sucursal museológica da “Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau” nascida em 2016 mas cujo o logotipo ostenta, pomposamente, a data de 1904! Ao interior em “estilo Lello” que parece ter sempre existido, corresponde agora uma fachada brilhantemente enfeitada com falsa roupa a secar e falsa placa de bronze alusiva ao nome da falsa casa portuguesa. No mesmo apurado estilo vêem-se agora à entrada bacalhaus de plástico, higiénicos e sem cheiro, condizentes com a falsa empregada de papelão de semblante sempre alegre.

Pergunta-se então se é para isto que são criados os pacotes financeiros de apoio à Reabilitação Urbana algo que, na zona histórica do Porto, é sempre bem-vindo se de outro modo e com outras intenções. Existem na cidade vários exemplos de boas práticas em intervenções de reabilitação e nunca houve tantos técnicos especializados em património e tantos particulares interessados em manter o carácter dos seus imóveis. Apesar disso, e paradoxalmente, observa-se que as verbas mais significativas estão a ser canalizadas para grandes operações urbanísticas de fachada com apoio camarário, como é o lamentável caso do quarteirão da Praça D. João I, da Pensão Monumental nos Aliados, ou do Palacete setecentista do Largo do Moinho de Vento, onde do original apenas restará uma fina fatia da fachada principal. Esta falsa forma de fazer reabilitação que conta com a aprovação das entidades responsáveis e que ignora sistematicamente o valor intrínseco dos edifícios históricos e a sua tipologia cadastral, vai colocando em causa não só a autenticidade e integridade do património urbano, como a própria ideia de cidade que, no caso do Porto ainda se torna mais grave por se tratar de património mundial inscrito na lista da UNESCO.

Por outro lado, a contínua aposta em transformar locais com notória utilidade pública como os mercados ou, nestes últimos tempos, a própria estação de comboios de São Bento, magnífico monumento classificado, em “subprodutos da monocultura dos comes e bebes”, são casos que nos deveriam preocupar. No final destas intervenções, ditas de reabilitação, da memória e da história dos lugares, restará talvez apenas o pitoresco de algumas formas arquitetónicas transformadas agora em objectos decorativos, imagens de marca que vendem bem. O património é assim transformado em recurso económico e, o turismo, a sua forma mais eficaz de exploração.

Depois de um tão longo período de debate internacional sobre o que se deve, e pode, fazer nas cidades e paisagens de interesse cultural, da criação de Cartas e Normas a que Portugal se encontra inevitavelmente vinculado, da experiência do Plano de Reabilitação do Barredo, está agora a desaprender-se tudo e, em contagem decrescente, a hipotecar-se o pouco que nos resta de contextos urbanos com a qualidade ímpar do Porto ou de Lisboa. Assim, aproveitando a ocasião dos 20 anos da inscrição do Centro Histórico do Porto na Lista do Património Mundial da UNESCO, o ICOMOS-Portugal tem programado, para dia 25 de Novembro, no Salão Nobre do Ateneu Comercial do Porto, uma iniciativa que pretende dar a conhecer o trabalho de alguns investigadores e outros convidados que se têm debruçado sobre a problemática da turistificação das cidades, incluindo a apresentação de palestras, mesa redonda e, ainda, a exibição, pela primeira vez no Porto, do interessante filme “Espaço Público” de Lucas Manarte e Bernardo Ferro. Por fim, procurar-se-á ultrapassar o já cansativo debate sobre estes temas e, com a ajuda dos convidados e do público, propor iniciativas concretas que, de alguma forma, possam contribuir para a resolução dos problemas abordados.