Há uma nova galeria de arte em Lisboa: a Shiki Miki

A exposição The Holy Package, que junta obras dos artistas Bassanti e Binau, abre esta quarta-feira o novo espaço.

Fotogaleria
Imagem do exterior da galeria José Campos
Fotogaleria
Montagem da exposição The Holy Package Helena Colaço Salazar
Fotogaleria
Montagem da exposição The Holy Package Helena Colaço Salazar
Fotogaleria
Montagem da exposição The Holy Package Helena Colaço Salazar
Fotogaleria
Montagem da exposição The Holy Package Helena Colaço Salazar

É esta quarta-feira que se inaugura a Shiki Miki, uma nova galeria de arte contemporânea, situada em Lisboa, na rua do Conde, às Janelas Verdes, a dois passos do Museu de Arte Antiga. Trata-se de um espaço de 100 metros quadrados, com coordenação e programação do artista Eduardo Moreira, apostando numa actividade que contempla exposições, residências, workshops, conferências, publicações e actividades educacionais para a juventude.

Irá das artes visuais às performativas, pretendendo “desconstruir as etiquetas e categorias que possam dividir a prática artística e enquadrá-la em gavetas estanques”, dirigindo-se a todos os que queiram estar “implicados num caldeirão de criação experimental, universal e ecléctico”.

No seu sítio oficial da Internet pode ler-se que “os artistas são as pontes, as antenas através das quais se ligam o mundo material e invisível”; entre os objectivos, o principal é “disponibilizar uma plataforma para a criação e exposição de trabalhos de artistas que habitualmente não operam apenas no quadro das galerias e museus”.

A primeira exposição, a inaugurar naturalmente esta quarta-feira, é The Holy Package, que irá mostrar o trabalho de dois artistas portugueses, Bassanti e Binau, com curadoria de Ana Cardim. A proposta expositiva assume uma estrutura bipartida, contemplando uma primeira fase que reúne um núcleo de pinturas a óleo e acrílico sobre tela, bem como alguns trabalhos de acrílico sobre cartão ou papel manufacturado, e uma segunda fase onde se reúnem diversos desenhos a acrílico sobre tela.

Todas as obras resultam de uma intervenção conjunta dos dois artistas. Entendendo a arte como laboratório do imaginário, permeável a uma pluralidade de influências, tanto Bassanti como Binau procuraram outros referentes durante o processo de criação, como a música, através da selecção de fragmentos dos repertórios sonoros de nomes como Patti Smith, Tom Waits, Laurie Anderson ou Morphine. O resultado da parceria apresenta afinidades formais com o grafismo dos fanzines e com a linguagem vinculada à arte urbana que, contudo, é transposta para suportes mais clássicos e exposta em espaço privado.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações